ELEONORA FALCONE
Neste sábado enluarado de sol - aqui em Pasárgada - muita gente vai ver Zélia Duncan na praia de Tambaú. O que talvez não saibam é que muito mais do que ver Zélia, vão encontrar Eleonora. Nora, para os amigos, é uma artista paraibana que construiu um show de altíssima qualidade. Muita elaboração e desempenho no palco. Alto nível de profissionalismo. Nora tem uma voz que é, na verdade, uma das muitas extensões da sua alma. Em todo o resto, Nora também estende sua existência na celebração de uma vida ancorada no amor e na arte. Quem quiser conhecê-la melhor, entre aqui e veja um vídeo de Eleonora cantando “Nunca é para sempre” do também queridíssimo amigo Adeildo Vieira. Ou aqui, para vê-la cantando “Nome na areia”, de Paulo Ro e Águia Mendes.


NA VERDADE...
Escrever é sempre um exercício. Não importa como e porque. Não sento na frente do computador para escrever versos, especificamente. Deixo o pensamento livre, fluindo por sobre as teclas, elaborando coisas que muitas vezes são apenas grandes questionamentos íntimos. É assim que existe este blog, Poesia Sim. Porque Poesia, muito mais do que tudo, é um modo de ver e o mundo e sentir a vida. Quando linguagem vira poema.

FILINTO ELÍSIO

Do amor só digo isto:

O sol adormece ao crepúsculo
No oferecido colo do poete
E nada é tão belo e íntimo.

O resto é business dos amantes.
Dizê-lo seria fragmentar a lua inteira.

(“Acerca do amor”, um belo poema do caboverdiano Felínto Elísio. Um nome da poesia africana contemporânea em qualquer língua. Felindo nasceu em 1961, em Praia – Cabo Verde, na Mama África. É autor de “Do lado de cá da rosa”. Fonte: antologia Poesia Africana de Língua Portuguesa.)

POESIA PENSADA
A questão é de matemática. Ou melhor: de matemágica. A partir de quê se pode pensar que a Poesia (com maiúscula) é pensada? Será que os poetas pensam a Poesia, ou são pensados por ela? Onde começa a experimentação com a linguagem e onde começa a existência na Poesia? Ou será que a Poesia é mesmo a matéria holográfica da memória humana? Quando penso, sou o poeta. Quando sinto, sou o homem. Meu encontro com a Poesia tem sido permanente porque penso e sinto com a mesma intensidade.


O POETA DO VINHO
“O homem que só bebe água tem algum segredo que pretende ocultar dos seus semelhantes”. Frase de Charles Baudelaire (1821-1867, poeta francês do século XIX, autor de uma obra dedicada ao infinito. Fonte: revista Discutindo Literatura, nr 14.

MAIS CHARLES BAUDELAIRE
“Deve-se estar sempre bêbado. Está tudo aí: é a única questão. A fim de não se sentir o fardo horrível do Tempo que parte tuas espáduas e te dobra sobre a terra, é preciso te embriagares sem trégua.
Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, a teu gosto. Mas, embriaga-te.
E se alguma vez, sobre os degraus de um palácio, sobre a verde relva de uma vala, na sombria solidão de teu quarto, tu acordas com a embriaguez já minorada ou finda, peça ao vento, à vaga, à estrela, ao pássaro, ao relógio, a tudo aquilo que foge, a tudo aquilo que geme, a tudo aquilo que gira, a tudo aquilo que cant, a tudo aquilo que fala, pergunte que horas são: e o vento, a vaga, a estrela, o pássaro, o relógio, te responderão:
“É hora de se embriagar! Para não ser como os escravos martirizados no Tempo, embriaga-te; embriaga-te sem cessar! De vinho, de poesia ou de virtude, a teu gosto.”

(“O Spleen de Paris – XXXIII” – “Embriaga-te”, de Charles Baudelaire., poeta francês que soube indicar caminhos. Autor de “As flores do mal” e outros clássicos da Poesia universal.). Fonte: “Poetas Franceses do Século XIX”, Edições Nova Fronteira. Organização, José Lino Grünewald.)

Comentários

héber sales disse…
Muito boa essa frase do Baudelaire. Um abraço.
Fábio Pessanha disse…
Quanto ao "Poesia Pensada", poetar é ser na imensidão e revelação do tempo no acontecer de um verso... pensar é se lançar no abismo do extraordinário na medida em que poesia é agir, assim como nos diziam os gregos (poesia do grego poiein), mas agir no sentido de apropriação do que já é nosso. Nos manifestamos na arte como humanização do homem...

Grande abraço

Fábio Pessanha

Postagens mais visitadas deste blog