Postagens

Mostrando postagens de Março, 2008
EDUARDO BORGES

Minha solidão
é feita de
tantos abandonos,
de tantas ausências,
que eu não a
reconheço
mais.

(Segredo, poema do maranhense Eduardo Borges, extraído do livro Sussurros)

LER COM OLHOS LIVRES
Seguidamente leio alguns absurdos com pose de verdade absoluta. Hoje mesmo (aliás, ontem) recebi alguns suplementos literários do amigo e artista plástico, Alberto Lacet. Num deles, um nome bastante conhecido na literatura dizia que a má poesia afasta o leitor da boa poesia. Ora, primeiro vamos ver o que se considera boa poesia e má poesia. Vejo pessoas mudar de idéia como um relâmpago quando se trata de conceituar poesia. Enfim...

LER COM OLHOS LINCES
A boa poesia é a que o leitor gosta ou a que a crítica professoral aprova? Is deh cuéstiom! Que cor é o sabor do bom gosto? Responda você!

NADA CONTRA
Tenho me dirigido à academia um tanto quanto raivosamente, confesso. Nada que não seja exatamente uma cobrança relacionada ao apoio que pedem quando pairam ameaças sobre a universidade pública. O bispa…
MÁRIO FAUSTINO

Não quero amar o braço descarnado
Que se oculta em meu braço, nem o peito
Silente que se instala no meu lado,
Onde pulsa de horror um ser desfeito
Na presente visão de seu passado
Em futuro sem tempo contrafeito,
Em tempo sem contato transmudado.
O morto que em mim jaz aqui rejeito.
Quero entregar-me ao vivo que hoje sua
De medo de perder-me em pleno leito
Rubro de vida e morte em que me deito
A luz de ardente e grave e cheia lua.
Ao que, se a morte chama ao longe: Mário!,
Me abraça estremecendo em meu sudário.

(Não quero amar o braço descarnado, poema de Mário Faustino, 1930/62. Extraído do livro O Homem e Sua Hora – e outros poemas, Cia das Letras)

O POETA E SUA HORA
Enfim o dia 21 de março. Dia Internacional da Poesia. Comemoro hoje cinqüenta e um anos de convivência com as muitas linguagens do mundo. Por esses dias tenho refletido sobre as coisas que me cercam. Circunstâncias que muitas vezes calam diante do silêncio. Pessoas que se revelam posseiras do medo. Pessoas que vomitam áci…
CLEMENTE PADÍN

He leído el primer cuarteto

(pausa)

Ahora he terminado de leer el segundo quarteto.

(pausa)

Acabo de leer el primer terceto

(pausa)

Finalmente he leído el segundo terceto.

(Soneto do poeta e performista uruguaio, Clemente Padin. Extraído do livro La Poesia es La Poesia. Ediciones Imaginarias)ENGENHO VELHO
Estive sábado em Engenho Velho, zona rural de João Pessoa, vendo quadrilha junina, forró, reisado... Gente do bem. Contam que por ali viveu Branca Dias, considerada uma heroína do Brasil colonial e condenada pela inquisição. Lugar de fortes energias!

ampulheta

como rio que singra
os dias escorrem

no tempo que
não volta jamais pelo
mesmo buraco

vazante da espera que
não reconhece o fim

INVERSÕES ESTÉTICAS
Nunca me preocuparam as correntes dos ventos. Caminho contra as tempestades, se preciso.

PAULO BRUSCKY
Mais uma vez estive com Paulo Bruscky, um artista importante dos anos posteriores ao concretismo. Para Paulo, a arte transgride os próprios segredos. É um pesquisador, sobretudo, de tudo …
DYLAN THOMAS

Sem trabalhar com as palavras por três meses estéreis nas
sangrentas
Vísceras do ano opulento e na grande bolsa de meu corpo,
Censuro amargamente minha pobreza e meu ofício:

Tomar, dar, eis
tudo, devolver o que se dá com fome,
Soprando para o céu as libras do maná
através do orvalho,
O gracioso dom da conversa ricocheteia numa lança.

Elevar-se, afastar-se das riquezas humanas e gostar da morte
Que
varrerá todas as moedas do alento marcado
E calculará os mistérios furtados
e atraiçoados numa escuridão maligna.

Render-se agora é pagar em dobro a
esse ogre perdulário.
Antigos bosques de meu sangue, arroja-os à amêndoa dos
mares
Se eu me puser a queimar ou restituir este mundo que é obra de todos
[os homens.


(Sem trabalhar com as palavras, poema de Dylan Thomas, com tradução de Ivan Junqueira – Poemas Reunidos, Ed. José Olympio)

“A BELEZA DE SER UM ETERNO APRENDIZ”
Foi Dylan Thomas quem disse: “Para mim, o impulso poético ou a inspiração é apenas a súbita, e geralmente física, chegada da energia p…