quinta-feira, 22 de maio de 2008

mandacaru


nenhuma flor

somente a
impossibilidade
de um segredo
na miragem da melhor escolha

nenhum idílio que não
o poço raso
no olhar de um búfalo

onde os pastos
nem sempre são fartos

nenhuma lágrima
que não as lágrimas secas

as que já não ardem além do limite
das pedras

(meu coração é manso e absurdo)

(ls - poema vermelho)

CORRENTES
Meu rio anterior ainda corre por entre as pedras, como se cada margem fosse, em verdade, uma nova nascente. Não se pretende presa dos próprios limites. Meu rio anterior permanece. Sabe da importância das árvores e dos pássaros... das barrancas de onde um velho pescador, ao buscar a vida, escreve o poema das águas.

MENSAGEM
Não queira julgar, mas se quiser, julgue. É seu o arbítrio de pensar sobre o que deve ser julgado. É seu o arbítrio de premeditar suicídios permanentes, matanças de almas enluaradas... Não quero julgar, prefiro a distância como sentença do que pulsa.

FUMUCA
Ontem participei de uma mesa com o tema cultura popular x indústria cultural, no Festival de Artes que está sendo promovido pelo DEC da UFPB. Na verdade penso que o contraponto com a indústria não é privilégio da cultura popular. A indústria, na verdade, é o câncer da cultura. Ao mesmo devo refletir que se não fosse a indústria cultural, como eu teria meu CD com a IX Sinfonia de Beethoven? Ainda volto ao assunto.

O LERO DE ROLAND
Em “O prazer do Texto”, o francês Roland Barthes nos instiga a pensar sobre o jogo de sedução que há entre o leitor e o escritor. Neste livro você encontra pequenas porradinhas como: “A linguagem que eu falo em mim mesmo não é de meu tempo; está exposta, por natureza, à suspeita ideológica; é, portanto, com ela que é preciso que eu lute”.

4 comentários:

Nana disse...

pai, teu blog deveria virar livro de pequenas mensagens. bjinhos, te amo mucho!

Winnee Louise disse...

o meu coração também é manso e absurdo, lau.


beijo, ó!

Clarissa Marinho disse...

e mais uma vez encontro aqui uma frase que me serve,ou quiça traduz o momento...
parabéns!
=)

adriana zapparoli disse...

é lau!? e foi? bj