sexta-feira, 29 de agosto de 2008

byt
(a coragem de manter o riso)


do olho
que lê as coisas pelo
avesso
,
a poesia ruge
tal bicho que se rebela nos
escalpos da alma
,
e some
,
navegando palavras como se um
mar houvesse em cada uma

(e há)

como se lua impoluta e nua

compartilhasse
seu brilho cinzento
dentro de um uni
verso
comun
ista

na semeadura do que virá

ah!


(ls – da série poemas vermelhos. Byt em russo significa cotidiano, rotina...)

POEMA EM PROCESSO
Abaixo publico a terceira ou quarta versão do poema “mimetismos”. Vou realizando pequenas mudanças, como se estivesse a catar feijões cabralinos no alguidar. O poema é uma entidade mutante. Nunca está pronto. Apenas, na maioria das vezes, somos vencidos. Acabamos abandonando por falta de fôlego. Linguagem é peso, bróder!

mimetismos

: caminhando pela margem

? para onde se estendem os braços
trabalhadores depois do engenho que os
consome ao sol das doze
? quantas jardas abarcam o enluarar
da retina já que o hábito do infinito
é maior que eu

no meio da noite imensa sou
como o que se expõe ao próprio medo
também comungo em ternura
o que dissolve no ar

(digo
no bar(
(ls – da série poemas vermelhos)

JAGUARÃO
Fiquei feliz por saber que em Jaguarão (RS), minha terra, existe hoje um curso de Letras e gente interessada na minha poesia. Incrível como a distância corrói os ossos. Depois de cumprir minha sina no PortoPoesia, devo dar um pulo na fronteira pra rever meu rio Jaguarão, caminhar com minha neta pelas praças da minha infância e quem sabe fazer bons contatos.

MOMENTOS ÍMPARES
Não pude ir “ouver” Antônio Cícero, ontem, no Festival Literário de Recife. Tinha um compromisso mágico com as pessoas que estão na linha de frente das oficinas de leitura aqui em João Pessoa. Um compromisso com o qual minhas emoções não poderiam faltar. Um trabalho feito com paixão por pessoas comprometidas com o futuro. Amanhã, vou à Muçumagro, uma comunidade semi-quilombola da periferia da cidade, ver a experiência de leitura que estamos implantando lá, com uma linha performática da leitura literária.

MOMENTOS ÍMPARES I
Sábado estou em Recife, às 19h, no auditório da Livraria Cultura (Recife Antigo), numa mesa sobre as políticas do livro. Vou beber o máximo, o melhor sumo desses momentos. São momentos ímpares! Também vou à disposição do acaso para Porto Alegre, dia 10 de outubro, debater poesia com os poetas da minha terra. Um evento, aliás, que começou o ano passado com uma repercussão ótima. Parabéns aos amigos poetas Mário Pirata e Sidney Schneider, gestores deste sonho.

UM POUCO POR FORA
Andei um pouco distanciado do computador por conta das doenças do corpo, diante de um sedentarismo terrível. Curando-me na homeopatia e na acupuntura, caminhando na praia pela manhã... Bebendo o paraíso que é Cabo Branco. Alongando até no colchão... Num dia bastante dolorido, me deu um estalo às 4:30 da madrugada. Vou enfrentar a dor, disse. Isso depois de dois tratamentos médicos. Naquele momento, fui para a praia correr e alongar. No outro dia fui para a homeopata. Enfim, acho que em breve volto a ser mais produtivo e disciplinado. Caraca, é como se eu estivesse vivendo num computador, com aquela sensação de estar dentro de uma CPU.

5 comentários:

Bípedes disse...

Salve,salve!

Poeta fizeste um blog muito feliz,rico e edificante, parabéns pelo belo nicho poético.

Um amplexo!

Lualves disse...

Companheiro,

Aqui deixo-lhe minhas impressoes positivas. Parabens e vamos dialogar.

Lualves

Analuka disse...

Caro amigo de alma alada e enluarada, gosto de tua idéia de encarar e entender o poema como um "bicho mutante"! Também sinto assim estas "entidades" móveis, pulsantes e aladas que criamos, construímos, inventamos e reinventamos com a mágica da palavra... jamais estão completamente "acabados", pois não cessam de se reinventar, como todo verdadeiro "objeto" de arte!
E, quanto aos cuidados com o corpo... são tão necessários quanto aqueles que dedicamos ao pensamento, e à alma!
Abraços azuis, saudades.

Constança Lucas disse...

Lau

que as suas maleitas sarem logo!

é bom vir aqui e ler suas coisas

abraço
Constança

Bill Stein Husenbar disse...

Belo recanto.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/