sábado, 27 de setembro de 2008

huambo
(conversando
com uma fotografia)


teares de fibra
no olhar que espanta

poesia é algo
impreciso & imprestável

se não para que bebam
em suas águas as almas
barrentas

elas sabem que
a sede é um embuste

lirismo urbano
dominando esta impoluta
fala

escrita de onde a vida
pluma ou navalha

(ls – poemas vermelhos. Poema em transformação)

VOU PRA PORTO ALEGRE, TCHAU!
Já participei de eventos literários em alguns estados: Rio Grande do Norte, Pernambuco, São Paulo... Nunca no Rio Grande do Sul. Voltar ao meu querido Portinho tem um gosto especial. Sou gaúcho. Morei anos por lá. Será como receber minha cidadania poética. Publiquei meu primeiro livro em 1993, quando já morava na Paraíba. Estou feliz pela oportunidade de participar do PortoPoesia. Dia 10, às 16 horas estarei autografando meu livro na Alameda dos Escritores e às 17h, no Museu do Esporte, vou prum debate sobre poesia com a gauderiada. Tudo no Shopping Total, na av. Cristóvão Colombo. Espero a presença dos amigos e das amigas por lá.

E POR FALAR EM CIDADANIA
Depois das eleições vou receber o título de cidadão pessoense, por iniciativa do vereador Luciano Cartaxo, do PT. Na verdade, sempre me senti cidadão do mundo. Também sempre me senti muito bem acolhido pelo povo da velha Parahyba. Sempre fui muito acarinhado por aqui. Acho Que o que me faz cidadão mesmo é a minha poesia e o meu trabalho. No entanto, mesmo depois de recusar o título oferecido por um outro vereador, vou receber de bom grado esse oferecimento de Luciano, um cara ligado na história cultural da cidade.

JAGUARAO
Entre as minhas andanças sulinas certamente não poderei deixar de estar um dia, pelo menos, em Jaguarão. Nasci naquele pedaço de pampa. Cidade charmosa que ilumina este blog com uma imagem linda do rio e da fronteira. Até o momento nada tenho articulado por lá. Na verdade, vou mais para ver meu rio Jaguarão, as figueiras... alimentar a alma com sua seiva. Uma viagem de encontro ao passado. Vou visitar meus mortos, rezar por eles. Existem motivos mais nobres? E depois volto renovado para amanhecer um tempo que deverá ser muito melhor que 2008, ano do qual nada tenho para lamentar. Vivi tudo intensamente! Cada segundo, cada emoção, cada tristeza, cada alegria... tratei a vida como o presente divino que é.

condição do hábito

jamais consegui ser pouco
com o tempo fui encolhendo

e ressurgindo em asas
zanzei pelo desvelo de ser

triste

cometi agruras e guardei

algumas poucas e necessárias
euforias

cumpro o rasgo que me cabe
quando por inteiro me revelo
em derme e em pelo

e no que há de espesso
ou mesmo sincero avesso

(ls – poemas vermelhos)

POR ENQUANTO
Por enquanto fico por aqui, trabalhando pela vitória dos girassóis no dia 5 de outubro. Estou encerrando o trabalho na Fundação Cultural de João Pessoa, partindo para outras margens do mesmo oceano. Não sei como será 2009, mas espero sempre muito do futuro. Porque tudo que faço e penso é para que sempre amanheça um dia melhor para todos e todas. Trabalhei muito, aprendi muito. Agora é tempo de fechar o balanço.

3 comentários:

Nana disse...

manda o meu beijo e abraço pro Jaguarão, papirus. Morro de saudades! :)

Márcia disse...

vai ser bom, hein? primeiro os girassóis, depois o pampa. ;)
boa viagem, viu?
beijo e beijo!

Gil de todos os dias disse...

2009?? Ah, 2009 vai ser melhor que 2008! Vai ver só!!
Tão bom voltar pra casa! =)
Saudade da minha!
beijo grande