enquanto não surgem
)))))no meu quintal((((((((((
as flores do mandacaru...




quando entre o grito
e a margem convergimos
para as possibilidades
de um pássaro sem
medo dos outros

mutantes & permeados
pela infâmia vamos aos
limites do eixo

onde as
borboletas dizem sim

e nada mais importa...

nem o segredo
que revolta

nem o certo
em linhas tortas

(poema vermelho – lau siqueira)

VIVA A LEITURA
Não há quem não fique impressionado com alguns dados do livro Retratos da Leitura no Brasil, organizado por Galeno Amorim. Por exemplo, é onde soube que em alguns estados a leitura de livros de poemas é a mais popular. Superando inclusive livros religiosos. Pode?

SEREI UMA ESTATÍSTICA?
Sou poeta e meu próprio editor. Mais recentemente, sou também agente oculto das vendas do meu livro, Texto Sentido. Sou o livreiro! Mantenho contato direto com leitores e leitoras. Vendo meu livro por um único canal: este blog – Poesia Sim, no link ao lado. Abaixo da foto da capa. No alcance do mouse! O preço é bem razoável: R$ 10,00. Por R$ 15,00 (todas as despesas inclusas) ele chega (registrado) até sua casa em qualquer lugar do país. Quem cuida disso é Dario e Adriana, criadores da loja virtual do blog. É deles o atendimento! Ontem mesmo vi um pacote com uns 3 livros, seguindo pra Fortaleza... Enfim, este é o resumo da ópera. Tornei-me cadeia produtiva no mercado informal do livro. J

ESPALHE POESIA!
Por falar nisso, vem aí o Natal. Poesia é um presente de futuro! J Procure um bom livro na rede e presenteie quem você gosta! Nos links ao lado você pode escolher um autor ou autora, por exemplo... A imensa maioria dos blogs linkados é de escritores(as) que já tem livros publicados. Visite um blog, escolha o estilo... Se quiser, compre o meu!

AINDA ARTHUR MOREIRA LIMA
Um músico excepcional. Um repertório excepcional. Um prazer estético garantido. Vou escrevendo esta postagem para o Poesia sim, ouvindo “Tangata Silfo y Ondina”, de Piazolla, com o grande Arthur Moreira Lima. Alguns artistas são especiais pela forma apaixonada que se entregam à arte. Arthur Moreira Lima é assim, sendo o que é: erudito e transbordante.

VIVA A LEITURA (I)
As coisas não precisam ser eternamente do tamanho que são. Oficina de leitura? Ora, cada um precisa ter a sua própria. Leia em casa, com seus filhos e filhas, netos e netas, com os manos e as minas, na esquina...
Seja um mediador ou uma mediadora de leitura. Porque leitura é estruturante em todos os sentidos. Principalmente pra você. Mas, veja bem: busque a boa leitura, a boa literatura. Façamos a nossa parte por um mundo de pessoas mais densas...

E O QUE É BOM...
depende da idade da sua infância. Para aprender a ler de verdade, não poderemos perder a perspectiva do menino ou menina que ainda somos. Não podemos abandonar a idéia de infinito que o aprendizado da literatura nos oferece e que só quem se permite aprender alcança. Adelante!

POESIA É LITERATURA?
Não sei! Na verdade, não sei o que é poesia. Apenas tenho uma vaga idéia. Quando penso que compreendi, a idéia some. É uma idéia flutuante! Dependendo do poema, se a poesia estiver presente, certamente que é. Mas, algumas vezes a poesia é pássaro viageiro e pousa numa emoção estabelecida pelo instante no qual você se percebe vivo. Nem toda poesia é literatura! E nem precisa...

Comentários

Clauky Saba disse…
décio pignatari diz que, das artes, a menos se aproxima da poesia é a literatura rs Mais proximas estão as artes plásticas...

saudades
quanto muito tempo faz!
mande notícias

poetabraços

clauky

.
mariza disse…
lindo poema Lau!

todas as vezes que o visito e ao seu delicioso blog, na maioria das vezes caladinha, creia-me, saio recompensada pelo que descubro e aprendo.

o despojamento de suas palavras, a intimidade que se estabeleceu entre você e a poesia nos torna, àqueles que o leem, cúmplices de toda essa beleza.

beijos.
e saudades sempre.
Jade disse…
Lau, meu querido
Poemas lindos e um novo livro, que maravilha.
E aí, caladinho, enquanto eu, tagarela, lhe falo tudo, inclusive do meu livro que irei lançar em João Pessoa.
Mas quero o seu e vou procurar a Loja Virtual.
Final de semana iluminado.
Beijo,
Jade
MARCOS LEITE disse…
Oi,gostei de teu blog!interessante!

Entre em meu blog!e veja meus textos!os sentimentos e emoções das palavras!

http://reefugio.blogspot.com

deixe seus comentários!pois suas palavras serão importante para mim!
Val disse…
Lau - os poemas vermelhos fascinam,
por si e especialmente pela marca de impermanência; vontade de ler mais mais mais - e, confesso, também de continuar a re/escrever uns versos.
besos
Márcia disse…
"e nada mais importa...

nem o segredo
que revolta

nem o certo
em linhas tortas"

só esses bastariam pra iluminar meu domingo. lindos demais, lau.

beijo e beijo, daqui.
romério rômulo disse…
lau:
te vejo no cronópios e agora te encontrei citado pela amiga mariza lourenço.gaúcho,residente na paraíba,auto-editor e vendedor via
internet,com os links que vi,tem de ser de valor.
um grande abraço.
romério
romério rômulo disse…
lau:
não estou seguro se escrevi seu nome certo.se errei,me desculpe.
romério
Anne Raelly disse…
Mocinho, sempre descubro sensações novas (re)lendo os mesmos poemas!
Adoro você e sua forma de ver o mundo!

Saudades,
Anne Raelly
Dina disse…
"Façamos a nossa parte por um mundo de pessoas mais densas...", gostei disso. Minha cachorra é caçadora de passarinhos: seria ela uma caçadora de versos?
joeldo disse…
Lau,
Andava com saudades de lê-lo.
Gostei muito.
Abraços
Joeldo
Ricardo Mainieri disse…
Lau e sua natureza inquieta e mutante espelhado no poema.
É isso, mermão, convoque o Natal da leitura, a comunhão com os livros, a instrospeção que a boa leitura acrescenta.
Breve visita para disser que, infelizmente, não seremos campeões, mas tricolores, eternamente...

Abraço.

Ricardo Mainieri
AC disse…
Sábado passado descobri este site.
No início, o susto encantado. Depois, a ansiedade seguida da confortável certeza que poderei explorá-lo sem pressa.
Aviso então, que “andarei por aqui, bebendo palavras” .
Abraço, AC
Ps: Não entendi ,como pode, depois do encantamento, um poema vermelho ser apagado...
Val disse…
AC (não resisto à intromissão, Lau)- ah... os poemas vermelhos... no início, AC, é quase impossível conviver com a possibilidade de apagamento de um deles... mas ajuda lembrar sempre, como nos sugere o próprio poeta: "poemas vermelhos [...] certamente ainda sofrerão modificações e [...] podem simplesmente receber um del (ou não)." Como também ajuda não esquecer da fertilidade da morte nossa de cada dia (seguindo pela poesia postada em comentário de miolodepote).
De outro lado, como esquecer o narrador d'A história do cerco de Lisboa: "Que seria de nós se não existisse o deleatur, suspirou o revisor."
abrçs
Val
Pavitra disse…

adoro tudo por aqui: os poemas vermelhos (poderiam ser até de outra cor) e tudo que vc escreve.

gostei do "viva a leitura (i)", essa é uma idéia que precisa virar teia - idéiateia, como um amigo dizia...

vou às compras (do seu livro) rs

um abraço!

Postagens mais visitadas deste blog