mercado central
de joão pessoa




são tristes
as folhas murchas
do repolho
que um homem
faminto não pode
comer

(poema do meu segundo livro, O Guardador de Sorrisos-1998)

CARLOS ARANHA
Não faço segredos da minha aversão ao estilo “caixa preta intelectual” das academias de letras. Minha convicção é que a obra e somente a obra pode imortalizar um autor. O exemplo pulsante dessa verdade é Mario Quintana que dizia ser a Academia Brasileira de Letras “um tipo de associação recreativa e funerária”. Não sou o único a pensar assim. Apesar de tudo, tenho inúmeros amigos muito queridos em várias delas. (Respeitar as diferenças nunca foi meu fraco.) Agora recebo o convite para a posse de Aranha na Academia Paraibana de Letras...

CARLOS ARANHA I
Conheço Aranha desde que cheguei à Paraíba, Sou testemunha das suas idéias e das suas ações. Por isso, no próximo dia 2 de março, segunda-feira, a partir das 20 horas, estarei na fila de abraços do meu amigo no Teatro Santa Roza. Aranha é uma transgressão aos trâmites caretas das academias! A chegada de um tropicalista à APL é um fato, um enfrentamento ao conservadorismo. A saudação ao grande Carlos Aranha será feita pelo também acadêmico Jose Nêumanne Pinto. Aranha fez da sua vida uma obra multicultural de resistência à mediocridade. Por isso estarei lá, como estaria em qualquer ato de reconhecimento às suas incansáveis lutas contra as ações conservadoras dominantes na sociedade.

SOLIDARIEDADE AO PADRE LUIZ COUTO
Luiz Couto é padre e deputado federal pelo PT. Um incansável lutador pelos direitos humanos. Atualmente eh a “bola da vez” numa “lista de morte” por ter apresentado uma relação de políticos, empresários, juízes e outros figurões envolvidos em pedofilia e grupos de extermínio. Não bastasse isso, o ultra-conservador arcebispo da Paraíba, Dom Aldo Pagoto, proibiu Luiz de rezar missas. O motivo? Luiz defende o uso de preservativo e o respeito à diversidade sexual. Nunca ou ouvi falar que o arcebispo tenha feito uma visita ao Pavilhão Henfil, aqui em João Pessoa, para um “conforto cristão” aos portadores de HIV. Dom Aldo parece não entender as lições básicas da Bíblia. O falso moralista vive atirando pedras! Dizem que no Ceará andou protegendo religiosos envolvidos em pedofilia.
http://barrocidade.zip.net/arch2007-07-01_2007-07-07.html Neste link, um artido do poeta Amador Ribeiro Neto sobre os feitos e preconceitos de Dom Aldo.

DYLAN THOMAS
“Para mim, o ‘impulso’ poético ou a ‘inspiração’ é apenas a súbita, e geralmente física, chegada da energia para a perícia e o senso estrutural do artesão.” Concordo com o poeta. Mas, como essa insignificância ajuda na prospecção inventiva do poema! Penso que o poema, como toda arte em seu ato criador, depende fundamentalmente do acaso, do mergulho no desconhecido para, então, ser burilada pelo intelecto.

UM POEMA DE DYLAN THOMAS

Em meu ofício ou arte taciturna
Exercido na noite silenciosa
Quando somente a lua se enfurece
E os amantes jazem no leito
Com todas as suas magoas nos braços,
Trabalho junto à luz que canta
Não por glória ou pão
Nem por pompa ou tráfico de encantos
Nos palcos de marfim
Mas pelo mínimo salário
De seu mais secreto coração.

Escrevo estas páginas de espuma
Não para o homem orgulhoso
Que se afasta da lua enfurecida
Nem para os mortos de alta estirpe
Com seus salmos e rouxinóis,
Mas para os amantes, seus braços
Que enlaçam as dores dos séculos,
Que não me pagam nem me elogiam
E ignoram meu ofício ou minha arte.

(“Em meu ofício ou arte taciturna”. Poema de Dylan Thomas, traduzido por Ivan Junqueira. Extraído do livro “poemas reunidos – 1934/1953”, Jose Olimpio Editora. Detalhe: foi na condição de admirador de Dylan Thomas que Robert Zimmerman assumiu-se artisticamente como Bob Dylan)

Comentários

Luyse disse…
Obrigada pela visita, Lau.
Ah, que beleza o seu cantinho! Lindas palavras, lindo blog.
Beijos.
(::
Erica disse…
ahh..eu queria ir dar um abraço em Carlos tb!! :(
manda um por mim..bjos
Adriana disse…
"as folhas murchas de um repolho"...fazer poesia assim não é brincadeira...ah.que belo poema de dylan.
Vc sempre me surpreende nos posts!
nydia bonetti disse…
Comovente este seu poema Lau. Como você consegue, em tão poucas palavras, dizer tanto...
Abraços
Nydia
nina rizzi disse…
o seu poema... naturalista. realista demais. :'(
como poesia, incrível, adoro :)

Postagens mais visitadas deste blog