motivo


...espesso -
estado de incêndio

(denso))))))

confronto
quando esboço
ou aborto

reto risco torto

avulso

ato que conjuga
quando esculpe

...num silêncio
ubre


(lau siqueira – poemas vermelhos)

EDU DA GAITA
Gosto de dizer que nasci na terra do grande Edu da Gaita. “Somos de Jaguarão” (RS), digo sempre. Lamento, entretanto, que esse grande músico seja uma personalidade completamente esquecida na memória da cidade. Seu acervo pode ser encontrado em algumas universidades do mundo, ou no Museu da Imagem e do Som, do Rio Grande do Sul. Em Jaguarão, não. Você que não é de Jaguarão e não tem nada com isso, conheça a obra e a história de Edu da Gaita: http://www.edudagaita.com.br/

O SUOR DA INSPIRAÇÃO
Terça passada estive participando do projeto Tome Poesia & Tome Prosa, do poeta Antônio Mariano. Fiz dupla com a romancista Mercedes Cavalcanti. Alguma pergunta foi feita acerca do processo de criação. Aliás, essa pergunta nunca falta. Muitas vezes, o que falta são as respostas convincentes.

O SUOR DA INSPIRAÇÃO I
Procuro escrever e ler algo quase que diariamente. Mesmo que seja breve. Mesmo ficando em compromissos de trabalho que se estendem, às vezes, até quase meia noite. Antes de dormir, com raras exceções, meu tempo é dedicado à poesia e à leitura. Não quer dizer que sempre leia. Não quer dizer que sempre escreva. Mas, este é o momento do dia em que todas as mazelas e todos os prazeres, tendem a virar objeto de linguagem. Talvez por isso eu durma quase sempre tão profundamente.

O SUOR DA INSPIRAÇÃO II

Tenho um amigo que começou a escrever poemas aos 50 anos. Um cara conhecido, Soares Feitosa, editor do Jornal de Poesia. Escreve poemas, crônicas, ensaios. Tudo com uma identidade e uma intensidade intelectual transbordante. Uma produção ainda inédita, mas já reconhecida por grandes intelectuais brasileiros. Então, qual o tempo da escrita? Qual o tempo da leitura?

ENFIM...
Devo ter enrolado muito (como agora) e simplesmente abstraído qualquer certeza. O que eu sei é que escrever poemas é sempre muito difícil. Alguns, mesmo de poucos versos, me deixam exausto. Ainda que não demore muito tempo em escrevê-los. É como se tivessem sugado todas as energias. Por isso acredito que cerebral mesmo é a consciência que poesia é muito mais mistério que conceito. Com todo respeito!

UM POEMA DE VITORIA LIMA

preso
em sua
circularidade
o tempo
...& no entanto
ele se move...
urge...
foge...

na barriga
da memória
o tempo
engendra fábulas
irretorquíveis...
inenarráveis...
irretocáveis...

( Vitoria Lima nasceu em Recife, mora em João Pessoa e leciona na UEPB, em Campina Grande. Grande estudiosa de William Shakespeare, minha amiga querida, minha vizinha. Com um poema de uma mulher e uma poeta tão emblemática, minha homenagem ao mês da Mulher e da Poesia: março. O poema acima foi extraído do livro Fúcsia, cujo prefácio, honrosamente, é meu. )

Comentários

BAR DO BARDO disse…
O único mistério da poesia é a certeza de que os poetas podem conceituá-la como bem quiserem.

E todos os poemas do mundo são escritos com esse objetivo: nomear a poesia.

Por isso, poesia sim.

- Henrique Pimenta
Olá!

Que lindo poema de Vitória Lima.

Ah, o tempo... Em verso e prosa sempre infinito e veloz. Quem o alcança? Quem o reencontra?... Ele passa e, nunca mais...
Só volta, fazendo voltas; mas em ponto; inalcansável...

Quanto ao cansaço após a escrita de um poema, penso que o fato se dá - em todos nós que escrevemos - porque é como dar à luz. Ainda que seja um parto rápido, suga todas as energias. Mas o prazer de ver o "filho"... é inenarrável.

Tudo neste post tem a ver com a homenagem às mulheres, que - inclusive - são poesia em carne e osso. Não desfazendo de los hombres é claro, rs...

Muito bacana,parabéns e obrigada
Taninha
dina disse…
Post inspiradíssimo. Gostei particularmente da abstração do "Suor da Inspiração 1". Condensa o processo de fuga e de sequestro do lirismo literário para aplicar ao ardor do dia-a-dia. E Vitória foi orientadora do mestrado da mama, em 19-e-Atari-era-novidade.
Lis Cristina. disse…
Que lindo!
Sem palavras!
fiquei estática quando li e reli este:"Por isso acredito que cerebral mesmo é a consciência que poesia é muito mais mistério que conceito. Com todo respeito!"
Não há idade para começar a escrever!!E concordo quando diz que suga as energias, isto porquê no meu intelecto , quando escrevemos, colocamos os nossos mais guardados intimos, dependendo é desgastante, porém as vezes vem como balsamo reconfortante!
Poesia Sim!
Há uma frase de A.R.R.
Faço delas minhas palavras:Escrever é, sempre, a necessidade de respirar as palavras e de às palavras fornecer o frémito do ser, os pulmões do sonho, e, com elas, criar a dádiva do poeta.
Boa semana!!
Marli Reis disse…
Passo por aqui e encontro motivo pra passar, sempre encontro "motivo"... Abraço! Continuo em gratidão...
Mirse disse…
Belíssimo poema - MOTIVO-
assim como o da Vitória Lima!

Parabéns! Claro que POESIA SIM, mesmo que se morra de exaustão...morre-se no BELO.

Forte Abraço

Mirze
Adriana disse…
todos os poemas foram selecionados a dedo...deliciosos.
fúcsia disse…
Re-lendo o teu Primeiro de Abril Despedaçado me lembrei do jovem Ravi que está na Máxima. Muito triste ver tantos jovens talentosos como ele se despedaçando por aí, sem esperanças.

Postagens mais visitadas deste blog