Translate

segunda-feira, 6 de abril de 2009

cataplaft


com tacapes digitais
e tangas pierre cardin
cariris contemporâneos
invadem o shopping

jantam champignons
com xerém
num self-service

ajustando penas
desajustam cocares
da cultura pagã

cultuam corpos
em academias

investem fortunas
da floresta tropical
nas delícias
da nova moda verão

já sem matas
matam-se nas guerras

da pós-modernidade

disputas sangrentas
por hectares de asfalto
ou pontos de venda
de coca
(ou pepsi)

e dançam o rap
da globalização

com as mãos enfiadas
nas algemas ideológicas
do terceiro milênio

(poema inédito escrito não sei quando - ls)

POEMA RECUPERADO?
Sempre fui bastante desconfiado com o poema acima. Sabe aquele texto que nos parece, ao mesmo tempo, infeliz e necessário? Nunca consegui mexer nesse poema. Nunca consegui melhorá-lo. Também nunca tive tesão de publicá-lo. Está publicado apenas no Jornal de Poesia. Depois de mais de dez anos do seu nascimento, trago novamente esse “Cataplaft” para uma leitura crítica dos visitantes do Poesia sim.

REPERCUTINDO
Repercutiu na mídia o tópico da edição do dia 2 de abril, abordando o assalto que sofremos na orla, finalizado com um tiroteio. No jornal Correio da Paraíba deste domingo, na coluna do Josival, está transcrita a nossa agonia. Na verdade, não é de hoje que o Poesia Sim serve de fonte. Certa vez uma polêmica foi gerada na coluna Essas Coisas, do mano Carlos Aranha, sobre a poesia de Arnaldo Antunes. Tudo a partir de um comentário meu no blog. No outro lado da polêmica, o querido poeta Sérgio de Castro Pinto. Também a violência policial contra adolescentes em um show de rock denunciada no blog, acabou nas páginas dos jornais.

GUIMARÃES ROSA
Li uma curiosidade sobre Guimarães Rosa numa dessas revistas de literatura da qual não estou lembrado agora. Contam que Guimarães Rosa tinha uma premonição. Ele achava que quando fosse eleito para a Academia Brasileira de Letras, iria morrer. Por isso, acabou adiando por mais de três anos a sua posse. Ele tinha razão. Faleceu três meses após a posse na ABL.

SOBRE A LEITURA
“Na medida em que a leitura é para nós a iniciadora cujas chaves mágicas abrem no fundo de nós mesmos a porta das moradas onde não saberíamos penetrar, seu papel em nossa vida é salutar. Torna-se perigosa, ao contrário, quando, em lugar de nos despertar para a vida pessoal do espírito, a leitura tende a substituir-se a ela, quando a verdade não aparece mais como um ideal que não podemos realizar senão pelo progresso íntimo de nosso pensamento Ed pelo esforço de nosso coração, mas como uma coisa material, depositada entre as folhas dos livros como um mel todo preparado pelos outros e que não temos senão de fazer o pequeno esforço para pegar nas prateleiras das bibliotecas e, em seguida, degustar passivamente num repouso perfeito do corpo e do espírito."
(Texto de Marcel Proust com tradução de Carlos Vogt – Pontes Editores-SP, 2003)

POEMA DE LEONARDO GANDOLFI

Talvez
o tempo
decantando o movimento
separe dentro com os mesmos dedos
a queda
do que ainda cai
providência e precaução
que não livram no entanto
teu percurso
do invisível resumo desse chão

(do livro No entanto D’água, do poeta Leonardo Gandolfi, que conheci numa dessas andanças do projeto Rumus Literatura, do Itaú Cultural. Poeta que, aliás, muito me agradou)

3 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Bons textos!

Digo sim!

O "Cataplaft", sobre ele vc já disse tudo. Quem sou eu para aumentar a polêmica?...

Um beijo, poeta.

Mirse disse...

Cataplaft: Acho que nem o meu querido Manoel de Barros imaginou esse "cataplaft"...cariris invadindo um shopping e e a experiência de uma (civilização?) doida. Ainda bem que o já pré adolescente poema foi recuperado!

Guimarães Rosa era completo, pleno.
Além de premonições, tinha a ousida de poucos na arte da escrita.

Sobre a leitura - é a mais pura verdade. Quando um livro ao ser lido, vai irritando, normalmente o leio até a vigésima página. Guardo o livro, esperando meu amadurecer, que às vezes não volta!

Parabéns, amigo!

Adorei tudo, em especial os "cariris"

Grande abraço

Mirse

Sentilavras disse...

Ainda estou tentando absorver a noção do impacto que seu blog me causou.
Ainda estou sem palavras. Adorei e voltarei.
Abçs