Translate

terça-feira, 9 de junho de 2009

hálito seqüencial

(

caminho pelo delicado silêncio
onde passas com pés de ungüento

e adormeces ao tempo que excitas
a pele das pétalas

volúpia dum olhar sumidouro

como se fôssemos o vento

)


(poema vermelho – lau siqueira)

DESENREDOS

Mais uma revista de cultura e literatura está nos ares da web. É a revista Desenredos, editada por Wanderson Lima e Adriano Lobão Aragão. Um veículo que vem com a responsabilidade de substituir a revista impressa Amálgama, da Editora Amálgama, de Teresina-PI. Confira! http://www.desenredos.com.br/

O RISCO É NÃO CORRER RISCOS
Escrevo muito próximo do erro, confesso. É como se estivesse extraindo pedras do fígado de uma montanha. E mais: com um certo estilete de cores que cortam a palidez das coisas. Escrevo para desaprovar na escola dos conhecidos e dos menos, mas envaidecidos. Escrevo como se houvessem bolhas sobre a semente que germina. Escrevo como quem dribla a morte. Como quem erra com sorte...

CRIANÇAS DE LUA

Criança não é de rua. Criança é de Lua. Espelho da miséria nos becos. (Direito de brincar de sapo num mundo Barbie.) Criança, não é de rua. É minha a culpa sua!

PAPO NO PAPO
Transformar é antes de tudo, transformar-se.

CAMINH’ANTES

Vou caminhando pelo mundo. Buscando o cálido e o justo. Tentando o que não parece insulto. Seguindo sempre no rastro do futuro.

UM POUCO DE UMBERTO ECO
“O futuro deve ser o lugar para onde vamos, e não algo que virá até nós, onde estamos agora.” (em História do Tempo, fragmento extraído do livro “Reengenharia do tempo”, de Rosiska Darcy de Oliveira. Ed. Rocco)

2 comentários:

Mirse disse...

Lindo poema, Lau!

O que mais aprecio na sua arte poética é exatamente o se "desembaralhar de regras convencionais", que você descreve: "escrevo como quem dribla a morte"

Parabéns!

POESIM SIM!

Beijos

Mirse

Lis Cristina disse...

Tudo são suavidade e paz, e só tenho dentro de mim o silêncio, .... O Caminho Vermelho!Que silêncio mais delicado. Quando as trevas se dissiparem. Amor do amor escondido. ... Sou apenas pó no caminho.