Translate

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

antropófago



esse sopro que
formamos com o tempo

sobre nosso rosto

sombreado longe
ao longo do pescoço

solapa estrelas nos rios
duma lua transbordante

com sorriso algo triste

(lau siqueira – poema vermelho)

POEMOSCÓPIO
Preciso ver mais longe. Preciso de um poema que seja um vôo animal no estradeiro olhar de quem permuta a nitidez das coisas simples. Como os jardineiros que sustentam no calo das mãos, tamanha delicadeza...

lero de astúcia


é linguagem
esse despir de auroras
absurdamente límpidas

onde apenas as teias
corrompem o silêncio

costura dos signos
que surgem pelas paredes
e dilaceram todas as coisas

rebelando segredos

.....................como caminhos
.....................que não vemos

.....................sentimentos
.....................que não temos


(lau siqueira – poema algo marrom)

PARADA DOS MOVIMENTOS
O que impressiona são as palavras ditas ao vento sem que, mesmo o vento, as escute. O que impressiona é a medida fora do compasso e o mormaço das desmedidas. O que segura é a onda que não transborda... Até quando?

POEMA DE BEATRICE JASMIN

Um tango sempre morre.
Um tanto, no entanto,
escorre.
Coagula sobre o palco.
Plaquetário. Ordinário.

O tango com a rosa
entre dentes, entre tantas,
morre.
Entretanto,
baila tonto nas entranhas,
descostura entrelinhas tênues
e arreganha a saia.
Salta a perna
que desliza
em ângulo agudo.

Contudo,
ainda é tango
e sempre morre.
Uma entranha que escorre.
Hemorrágica
pelas pernas.
O rímel pelos olhos.
A grafia é tanto sangue
que transborda.

Tudo escorre.
Só se estanca
quando grudam
nossos troncos, nossas ancas.

Cada passo que sutura
uma n’outra
as entranhas
é desestranhamento,
acoplamento,
cópula.

No entanto, é tango.
Sempre morre.
Morre em sangue.
Morre em sêmen.

Escorre.

(TANGO. POEMA DE Yara Beatrice Jasmin Nin Poulain Black Mamba, COLHIDO DO BLOG ATRAVERSADO. (http://atraversando.blogspot.com)

5 comentários:

Dina disse...

Essa da Beatrice foi duk.

Wania disse...

Lau, que lindo este teu espaço!
Realmente, o teu sol brilha por aqui...

Quanta palavra bem dita, quanta escrita bonita!

POESIA SIM, parabéns!

Voltarei mais vezes.
Bjs,
Wania

BAR DO BARDO disse...

Bons textos!

Muito bons!

Yara Beatrice Jasmin Nin Poulain Black Mamba disse...

É uma grande honra ter meus versos nesta casa. Obrigada.

Bela a casa, aliás.
Volto sempre.

Inté.

Luciana disse...

sustentar delicadeza no calo das mãos é ato de muita poesia..