antropófago



esse sopro que
formamos com o tempo

sobre nosso rosto

sombreado longe
ao longo do pescoço

solapa estrelas nos rios
duma lua transbordante

com sorriso algo triste

(lau siqueira – poema vermelho)

POEMOSCÓPIO
Preciso ver mais longe. Preciso de um poema que seja um vôo animal no estradeiro olhar de quem permuta a nitidez das coisas simples. Como os jardineiros que sustentam no calo das mãos, tamanha delicadeza...

lero de astúcia


é linguagem
esse despir de auroras
absurdamente límpidas

onde apenas as teias
corrompem o silêncio

costura dos signos
que surgem pelas paredes
e dilaceram todas as coisas

rebelando segredos

.....................como caminhos
.....................que não vemos

.....................sentimentos
.....................que não temos


(lau siqueira – poema algo marrom)

PARADA DOS MOVIMENTOS
O que impressiona são as palavras ditas ao vento sem que, mesmo o vento, as escute. O que impressiona é a medida fora do compasso e o mormaço das desmedidas. O que segura é a onda que não transborda... Até quando?

POEMA DE BEATRICE JASMIN

Um tango sempre morre.
Um tanto, no entanto,
escorre.
Coagula sobre o palco.
Plaquetário. Ordinário.

O tango com a rosa
entre dentes, entre tantas,
morre.
Entretanto,
baila tonto nas entranhas,
descostura entrelinhas tênues
e arreganha a saia.
Salta a perna
que desliza
em ângulo agudo.

Contudo,
ainda é tango
e sempre morre.
Uma entranha que escorre.
Hemorrágica
pelas pernas.
O rímel pelos olhos.
A grafia é tanto sangue
que transborda.

Tudo escorre.
Só se estanca
quando grudam
nossos troncos, nossas ancas.

Cada passo que sutura
uma n’outra
as entranhas
é desestranhamento,
acoplamento,
cópula.

No entanto, é tango.
Sempre morre.
Morre em sangue.
Morre em sêmen.

Escorre.

(TANGO. POEMA DE Yara Beatrice Jasmin Nin Poulain Black Mamba, COLHIDO DO BLOG ATRAVERSADO. (http://atraversando.blogspot.com)

Comentários

Dina disse…
Essa da Beatrice foi duk.
Wania disse…
Lau, que lindo este teu espaço!
Realmente, o teu sol brilha por aqui...

Quanta palavra bem dita, quanta escrita bonita!

POESIA SIM, parabéns!

Voltarei mais vezes.
Bjs,
Wania
BAR DO BARDO disse…
Bons textos!

Muito bons!
É uma grande honra ter meus versos nesta casa. Obrigada.

Bela a casa, aliás.
Volto sempre.

Inté.
Luciana disse…
sustentar delicadeza no calo das mãos é ato de muita poesia..

Postagens mais visitadas deste blog