Translate

domingo, 27 de dezembro de 2009

Escala

Às vezes, quando estou de um jeito
que nem mais a tristeza incomoda
penso que minh’alma é uma escada.

Então vou subindo, palavra por
palavra... Separando as sílabas
conforme a capacidade de
armazenagem dos meus bolsos. Até
que a poesia acena para mim de
alguma janela.

E depois some como o vôo que fica na memória
tamanha a beleza do pássaro.


(LS, poema do quarto livro, Texto Sentido)

POR UM CAMINHO LUMINOSO EM 2010
Que todos os dias do Ano Novo, sejam dias de reconstrução e de uma esperança que não se rende. Que cada instante seja concebido na certeza de estarmos no mesmo caminho, na mesma luta por liberdade e felicidade repartida... Que a busca pela paz, seja uma constante em nossas casas ou em nossos países. Que cada um de nós consiga perceber que o sonho de um mundo mais justo depende das nossas atitudes. Que as nossas utopias nos ajudem a seguir em frente, sempre. Feliz 2010 para os que trabalham por um mundo mais justo. Para os que não trabalham... boa sorte. Adelante!

O BALANÇO QUE BALANÇO
Avalio o ano de 2009 de forma positiva. Um pouco estanque para alguns dos meus projetos. Não consegui concluir meu quinto livro, o Poesia Sem Pele. Praticamente não avancei muito no projeto de escrever um livro sobre Política Cultural. Prossigo revisando uns poemas, reescrevendo outros e pensando a melhor forma da invenção. No entanto, a lentidão de algumas caminhadas nos ensina a caminhar com passos sólidos...

PRO CONSUMO DIÁRIO
Uma das políticas de leitura mais convenientes é a que confronta os interesses e os rumos do mercado do livro. Ao invés de comprar livros, o Estado brasileiro deveria incentivar a formação de leitores nas escolas e fora delas. Isso acarretaria um outro tipo de comportamento do mercado do livro, pelo menos a médio prazo. As políticas públicas não deveriam ser direcionadas ao livro, mas ao autor e ao leitor. Ao início e ao fim da cadeia produtiva. O livro enquanto objeto, não diz muita coisa. Não podemos correr os riscos de ver o dinheiro público ser direcionado para a formação de maus leitores e para o enriquecimento das grandes editoras. Leitura é cidadania.

A POESIA DE ABU MUHAMMAD IBN SARA AS-SANTARINI

É um jovem esbelto, sobre cuja túnica
vejo alçar-se uma lua
brilhando num céu de perfeições.
Sentenciou nossos corações
à reta lança de seu corpo
onde reluz o ferro de seus olhos azuis.


(Sempre faço boas colheitas no blog do Antônio Cícero. O poema acima - Rapaz de Olhos Azuis - foi traduzido para o castelhano por Tereza Garulo e para o português pelo próprio AC. Poesia Árabe escrita entre os séculos XI e XII)

3 comentários:

susannah disse...

Querido Lau, vc foi certeiro ao focar a necessidade da formação de leitores e de autores. Elaborei um projeto recentemente (ainda em fase de avaliação e - oxalá! seja aprovado) que tem como objetivo difundir a leitura e promover a produção da poesia entre os jovens de 13 a 16 anos. É uma ação que leva para a comunidade aquilo que ensinamos e aprendemos na universidade, leva também nosso aluno a ver mais sentido no alcance da literatura na formação da pessoa, na sua humanização (Antônio Cândido tem um texto fundamental sobre isso). 2010 será com toda certeza a realização dos projetos começados em 2009, dos esforços desmedidos que fizemos em busca da perfeição, do amor e da amizade. Eu entro em 2010 feliz e segura de mim mesma e de um caminho para traçar e trançar do meu jeito! Desejo-lhe esse olhar de arqueiro mirando o alvo...
Bjs!

Kelly Cândido disse...

às vezes saio a caça de um bom blog...encontrei o seu e muito gostei!
Parabéns pela beleza com que trata as palavras, os sons e tudo tal e mais.
Abraço Mineiro!
kel

Dere disse...

Lau, Escala é um dos meus poemas preferidos, adoro!
bjs