Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2010
poemaginário



bebo minha memória num
punhado de palavras tristes

na desordem dispersa
duma sentença estranha

por isso tenho esse olhar
de ácido esmaecido

e um coração afeito ao riso

como se fosse o idílio
sob a lona de um circo


às vezes
simplesmente vomito

e finjo silêncios
no espasmo amargo
do grito


(lau siqueira – poemas vermelhos)

ROBERTO PIVA
Internado em São Paulo, no Hospital das Clínicas, o poeta Roberto Piva está precisando dos amigos. Tenho acompanhado a agonia de Piva pelo blog do meu querido poeta Ademir Assunção. É o primeiro link dos blogs aqui indicados pelo Poesia Sim. Ouso dizer que Piva é um dos mais importantes nomes da Poesia Brasileira de todos os tempos. Vamos ajudá-lo!

ESCREVER O POEMA
Penso que nada mais se pode esperar de um poema se não que ele se cumpra integralmente e que sua forma possua realmente um conteúdo imaginativo e sólido. Um poema é uma alegria triste. Uma tristeza que gargalha. Um poema é o álibi da falha. Navalha que se perde no espelho. Escrever poema é aprender e …
conceito



não alongo
poemas

penas curto

no máximo
s u r t o

(lausiqueira – poema vermelho)

NOVA CONSCIÊNCIA
Acabo de ler um e-mail do poeta Bruno Gaudêncio convidando para um evento literário que será realizado no Encontro da Nova Consciência, em Campina Grande-PB. Infelizmente, a data coincide com uma viagem minha para Goiás. Mas, para quem estiver por perto de Campina Grande nos dias 14 e 15 de fevereiro, eu recomendo. Na verdade, eu participaria de uma mesa sobre literatura e novas mídias. Vem aí, também, a Festa Literária de Boqueirão-PB. Coisas boas acontecendo pela Paraíba afora, Anunciam também uma Bienal Internacional do Livro. Adelante!

conclusivo


a saída
é a melhor
chegada e

a vida vale
por isso
mais nada

(lau siqueira, poema vermelho)

POEMAS CONVERSADOS
Os poemas vermelhos deste post nasceram durante uma conversa virtual com a excelente poeta e professora de literatura, Susannah Busato. Alguns foram aqui levemente burilados, mas a maioria segue intacto como fala do nosso bate-papo. …
devassidown


azul de oceania
infinito & invisível
))))(((())))(((())))(
somente a arte nos
salvará do abismo
))))(((())))(((())))(
somente o abismo
nos preservará da
memória

(Esse pequeno poema já foi maior. Está em fase de crescimento, por isso encolheu. Todo poema é a possibilidade de transformar o próprio poema. O problema é que nem sempre arde. Lau Siqueira)

JORGE LUIZ BORGES
“Tenho para mim que sou essencialmente um leitor. Como sabem, eu me aventurei na escrita; mas acho que o que li é muito mais importante que o que escrevi. Pois a pessoa lê o que gosta – porém não escreve o que gostaria de escrever, e sim o que é capaz de escrever.” (Em Esse Ofício do Verso – 6, O credo de um poeta)

fragmentes

berros de olhar
ecoados no espelho

os dias passam
sem que a vida
.................devolva

nenhum
dos pedaços

(do blog Poesia é Risco. Aliás, outro poema que sofreu uma intervenção inevitável)

A PEDAGOGIA DA LEITURA
Jorge Luiz Borges ratifica a idéia da leitura com um papel preponderante na formação cidadã. …
grafite





morrer é quase
um imprevisto

morro sempre
quando penso
que não existo

(poema do livro Sem meias palavras – lau siqueira)

ESCREVER POESIA? SEI...
Escrevo poemas desde menino. Não sou diferente dos outros. E mais: não inventei absolutamente nada. Não transgredi porra nenhuma. Não arrebentei a boca do balão. Apenas vivi muito desses meus quase 53 anos, escrevendo, lendo e pensando poemas. Sem que isso implique alguma ordem. Na poesia toda ordem é de outra ordem, penso. Agora me diga: E eu com isso?

A LÍNGUA NO ESPELHO
Andei lendo no jornal A Vaia, de Porto Alegre, editado por Fernando Ramos, que o meu querido poeta e tradutor Sidnei Schneider, nascido em Santa Maria-RS, teve como primeira língua, não o português, mas o alemão. O Rio Grande do Sul tem esse lastro interessante de misturas. Culturas diversas que se agregaram na formação intelectual e política do povo. As colônias ainda conservam intactas suas unidades, através da língua. E Sidnei, além de bom poeta é um cara bacana.

CODINOME B…
estado da ostra



o alaúde de um homem
começa onde arrancam
pela raiz o fruto imaturo

e na tempestade colhida
no ácido de uma lágrima

tudo impregnado dum
barroco algo fosco

o alaúde é a espera do que
não mais pertence ao oco das
noites e dos dias

onde o sopro
corteja a ventania


(lau siqueira – poema vermelho)

LIVROS PRA 2010
Começo o ano com quatro boas leituras na cabeceira. Dois livros comprados. Um deles, uma pequena coletânea: “Quinze Poetas Dinamarqueses”, com notas e tradução de José Paulo Paes. O outro, “A poética do silêncio”, do Modesto Carone, pela coleção Debates da editora Perspectiva. Ganhei da minha amiga aquarelista Luyse Costa, “Histórias de Alexandre”, de Graciliano Ramos e da minha amiga psicanalista, Cassandra Dias, “Um início na vida”, de Jacques-Alain Miller. Este último, uma abordagem da literatura pela psicanálise, a partir de Sartre e Lacan.

O ANO QUE COMEÇA
Na verdade, hoje, dia 4, exatamente é quando o ano começa. Até agora foram festas, feriados e confraternizações. Hipocrisi…