Translate

sábado, 23 de janeiro de 2010

conceito



não alongo
poemas

penas curto

no máximo
s u r t o


(lausiqueira – poema vermelho)

NOVA CONSCIÊNCIA
Acabo de ler um e-mail do poeta Bruno Gaudêncio convidando para um evento literário que será realizado no Encontro da Nova Consciência, em Campina Grande-PB. Infelizmente, a data coincide com uma viagem minha para Goiás. Mas, para quem estiver por perto de Campina Grande nos dias 14 e 15 de fevereiro, eu recomendo. Na verdade, eu participaria de uma mesa sobre literatura e novas mídias. Vem aí, também, a Festa Literária de Boqueirão-PB. Coisas boas acontecendo pela Paraíba afora, Anunciam também uma Bienal Internacional do Livro. Adelante!

conclusivo


a saída
é a melhor
chegada e

a vida vale
por isso
mais nada


(lau siqueira, poema vermelho)

POEMAS CONVERSADOS
Os poemas vermelhos deste post nasceram durante uma conversa virtual com a excelente poeta e professora de literatura, Susannah Busato. Alguns foram aqui levemente burilados, mas a maioria segue intacto como fala do nosso bate-papo. Conheça o blog de Susannah Busato, http://www.meupapelderiscos.blogspot.com/

sublimação

imensidões
da devassidão
e da virtude )

vestido na pele
do nada


despido
pelo vazio

(lau siqueira, poema vermelho)

POESIA ALHEIA
Começou a série “Diálogos” no blog do poeta Ricardo Silvestrin. Confira o papo com o poeta Nei Duclós: http://silvestrin.blogspot.com/2010/01/serie-dialogos-ricardo-silvestrin-e-nei.html

pensaminto

o amor é um
gesto no espelho
orvalhado da ternura

) nitro
glicerina
pura


(lau siqueira, poema vermelho)

MÁRIO QUINTANA
“Poesia não é a gente tentar em vão trepar pelas paredes, como se vê em tanto louco por aí: poesia é trepar mesmo pelas paredes.” (Do livro Na Volta da Esquina, coleções RBS. Editora Globo)

UM POEMA DE MIRÓ
Recife
Cidade das pontes
E das fontes de miséria
Poetas mendigando passes
Pra voltar pra casa
E sua poesia passando despercebida
Aliás,
Nem passa.

(Marginal Recife, poema de Miró. Da coletânea poética Marginal Recife, publicada pela Fundação de Cultura cidade do Recife.)

7 comentários:

FláPerez (BláBlá) disse...

fiz poema pra você.
Lau minski

dadina disse...

Lau é um dos melhores...
é preciso que isto seja dito?
não! basta ler Lau siqueira.
abraços.

lau siqueira disse...

Calma!

Cosmunicando disse...

Lau,
gosto do modo como faz seus posts construindo conexões... e claro, sobretudo da sua poesia.

Batom e poesias disse...

Passei para matar a saudade e desejar ótimo ano procê!

Sem me alongar, curti.
bjs

Rossana

Analuka disse...

Querido Lau, estava aqui lendo e curtindo teus poemas curtos, e pensando num tão longo que escrevi ontem, pensando que preciso aprender a arte de ser suscinta!... Aprecio tua capacidade de colocar um mundo, um cosmos, um universo em algumas letras! Beijos alados e azuis, e votos de um ano pleno, intenso e inspirado!!!

susannah disse...

Uma delícia papear com vc! Sempre! O seu "conclusivo" me toca e é para guardar na bolsa ou no bolsinho da calça, escrever na agenda, colocar no porta-retrato. Somente a poesia para nos resgatar de nós mesmos, não é Lau? O poeta é mesmo um perdido, que se resgata sempre, pois sempre se perde no caos de si mesmo. Uma fênix vivendo a sina de Prometeu. (!!) Melhor assim, do que viver com os olhos grudados na tv diária dos insanos, que, como os versos de nosso amigo e querido poeta Frederico Barbosa assinalam, frente a tv "a vida pelo ralo / desperdício de ser".

Bjs!