Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2010
refrão



os ventos são algazarras
do infinito
em nossos cabelos gris

(bis)


(poema do livro Texto Sentido, Ed. Bagaço-PE, 2007. Lau Siqueira)

ENSAIOS RADIOATIVOS Recebi o livro Ensaios Radioativos, do poeta Márcio-André e fiquei bastante impressionado com a criatividade dos textos e com a profundidade suave dos temas abordados. O poeta nos mostra que para ser consistente não precisa ser hermético e muito menos chato de galochas. Voto em Márcio-André para presidente da República. Muito interessante o texto onde ele faz uma reflexão sobre o ego dos poetas. Confira o site: http://www.marcioandre.com/
FENARTE Como sempre, com alguns equívocos, com o privilégio de umas áreas sobre outras, com algumas escolhas infelizes para esse tipo de evento, como o popularesco grupo Capim Cubano. Alguns momentos de visível desorganização mas, mesmo assim, a turma da FUNESC –Fundação Espaço Cultural, comandada por Maurício Burity, está de parabéns. O Festival Nacional de Artes da Paraíba continua sendo um dos mais …
idílio paulistano





somente os pássaros nos quintais
do morumbi cagam a burguesia pau
lista que sempre parece tão distante
em suas ocas rebocadas pelo lucro
das fábricas e pelos suores que dês
cem a consolação no coletivo para
lamber pipocas no ibirapuera


sampa concentra as uvas do estio
nas madrugadas de poemas restritos
ao delírio


(que frio)


(do livro Texto Sentido, Ed. Bagaço-PE, 2007. Lau Siqueira)


MONOBLOCO
A vida não vale o arrepio do que se estende além do delírio. Não vale o pio e o extravio das lentes no escuro do espelho que nada reflete além do próprio aço. A vida não vale o improviso, o riso tosco das horas mortas. A vida não vale o escárnio, o malfazejo, o estribilho esquecido da canção retida na morbidez da glória. A vida, ensinamento e partida, rumor e rito de partida. Tambor rufando a mesma sempre despedida.


AGOSTO DAS LETRAS
Um evento de literatura em João Pessoa que vai ser show. Começa a tomar forma o Agosto das Letras. Cometa leituras, cometa poesia, cometa-se. Na coordenação de li…
pedra sobre sabão



sem voz nenhuma
nego apelos
ao silêncio



(........................)


vivo porque
em mim fazem pouso
as palavras e o universo
oco dos sentidos


de onde a poesia sempre
parte como um pássaro
imprevisto


e some como um risco

(Poema do livro Texto Sentido - Lau Siqueira)


ESCREVIVÊNCIAS
A vida, em sua plenitude, nem sempre nos oferece os melhores frutos. (Somos nossos próprios intrusos.) Cercados de palavras comedidas, berramos as condenações do silêncio... A vida, palavra inexata, complexa composição de significados, explode no que algumas vezes sequer respira.

A FORMA DETERMINANTE
Algumas dúvidas que sustentam meu pensamento sobre a metalurgia da palavra são cada vez mais contundentes. Da mesma forma que algumas certezas se tornam banalidades a serem superadas. Uma dessas certezas se refere ao fato de que a forma determina o conteúdo no meu macaquear criativo. Talvez porque de tanto “ouvir estrelas” acabei por desconfiar das finitudes do infinito.
SEGUIDORES
O Bispo Edir Macedo que se cuide. …
deus







fingiu que estava
criando o mundo
trabalhou seis dias
oito horas em dois turnos
salário de cento e oitenta
pregos


ornamentou noites
criou nuvens
e ventos
do barro fez a criatura
num sopro
o inventário das paisagens



uma vez pronta a maquete
exonerou-se e ficou mudo


hoje
dies dominicu
reaparece com trezentas
mil faces midiáticas


(dizem que vive em tudo)

(do livro Sem Meias Palavras, Ed. Idéia-PB, 2002. Lau Siqueira)

FUNERAL DAS ALMAS

Quando a vida - enquanto instrumento divino - perde fôlego diante do espelho e o olhar já não conduz a nada. Quando as lonjuras já não se conjugam, pois que o universo inteiro conspira. Quando Urano determina com seus ritos o vórtice da morada. Quando tudo parece envolto em uma bolha de aço. Quando nada mais importa... nem o raio que me corta.


CANÇÃO DE CORTAR IMPULSOS A tristeza é o lobo do homem. O escopo do homem. A tristeza é o talho no olho do homem. O alho cortado do olhar que assusta. A tristeza é uma imensidão de oceanos convulsivos. Literatura de uivo e de goz…
cobaia







não existem feridas
que não cicatrizem
mas a marca funda
de um olhar amargo
dói como a dor de
um bicho esmagado

(poema do meu primeiro livro, O Comício das Veias, Ed. Idéia, 1993)


POLÍTICA CULTURAL
A FUNARTE lançou um edital poderoso para várias áreas artísticas. Entre os gêneros incluídos, você encontrará Bolsa de Criação Literária – Edital para apoio a 60 trabalhos de produção de textos literários, nos gêneros lírico ou narrativo, com bolsas de R$ 30 mil. Inscrições até 27 de maio; Bolsa de Circulação Literária – Edital para apoio a 50 projetos de atividades de promoção e difusão da literatura, em municípios do Programa Territórios da Cidadania, com bolsas de R$ 40 mil. Inscrições até 27 de maio; Bolsa de Reflexão Crítica e Produção Cultural para Internet – 60 pesquisadores receberão R$ 30 mil para desenvolver textos críticos sobre arte em mídia digital, ou produzir conteúdo digital para a web. No total, são 56 milhões investidos. Confira o edotal no site www.funarte.gov.br

FLIPORTO …
razão nenhuma


o que escrevo é apenas parte do que sinto
a outra parte finjo que minto
e acredito
(do livro Sem Meias Palavras, 2002, Ed. Idéia – LS)
CENSURA EM JOÃO PESSOA Buscando amparo religioso nos seus frágeis argumentos, a vereadora Elisa Virgínia (PPS) quer submeter obras públicas à aprovação da Câmara de Vereadores de João Pessoa. Desinformada e preconceituosa, a vereadora classifica como demoníacas até mesmo obras abstratas. Fica aqui o nosso repúdio por tamanha falta de respeito aos artistas e ao povo da capital da Paraíba. Uma das obras que vem sendo atacada pela vereadora é monumento à Pedra do Reino, uma homenagem do artista plástico Miguel dos Santos a Ariano Suassuna. Tenho amigos e amigas evangélicas que em nada comungam com o pensamento medieval da vereadora. Não se pode confundir religiosidade com hipocrisia. A arte submissa a preceitos morais, não é arte.
DAS INFLUÊNCIAS Aqui e ali, em alguma entrevista, o escritor sempre é indagado quanto às suas influências. Certamente que e…
o galo





o silêncio
com suas equações
................de estrelas
abre os portais
da madrugada


sob os olhos atentos
do infinito
um quarto de lua
empresta a partitura
ao galo

(Lau Siqueira, do livro Sem Meias Palavras, 2002, Ed. Idéia)

FANTASIAS DE UM CARPINTEIRO
Estabeleci algumas metas para que o meu livro, Poesia Sem Pele, possa ser lançado no final de 2010. Até agosto ou setembro, devo estar com a seleção de poemas concluída. Mais que isso: devo ter trabalhado todos os poemas que ainda carecem de reparos, de certo sacolejo de lixa nas sobras da linguagem. Uma vez prontas as esculturas, o produto geral segue para a marcenaria de Tânia Miranda que vai trabalhar a programação visual e gráfica. Finalmente irá para a casa das máquinas. Espero que os primeiros dias de dezembro (primeira quinzena) sejam os mais adequados para o lançamento.

(DES) ORGANIZAR O LIVRO
Não gosto de organizar os poemas no livro. Não vejo sentido em separá-los por alguma definição temática. No meu caso, seria contraditório. Não…