domingo, 28 de novembro de 2010

deus



fingiu que estava
criando o mundo


trabalhou seis dias
oito horas em dois turnos
salário de cento e oitenta
                           pregos




ornamentou noites
         criou nuvens
               e ventos


do barro fez a criatura


num sopro
o inventário das paisagens
uma vez pronta a maquete
                    exonerou-se


e ficou mudo


hoje
dies dominicu
reaparece com trezentas
mil faces midiáticas


(dizem que vive em tudo)

(poema publicado no livro Sem Meias Palavras e no livro Predadores, na antologia Na Virada do Século, poesia de invenão no Brasil e nas edições Dulcinéia Catadora – lau Siqueira)

CARLOS PENA FILHO
O Santander Cultural promoverá, em Recife-PE, 4 mesas redondas sobre o poeta Carlos Pena Filho. A primeira delas, “O discurso lírico e amoroso em Carlos Pena” acontecerá na próxima terça, dia 30/11. As mesas acontecerão no auditório do Santander Cultural, na Avenida rio Branco, Bairro do Recife. Para visualizar a programação completa, visite o blog do poeta Luiz Carlos Monteiro: http://omundocircundante.blogspot.com/


SEMINÁRIO DE LITERATURA DO SESC-PB
Infelizmente o I Seminário de Literatura do SESC-PB chocou sua bela programação com o I Salão do Livro do Estado da Paraíba. De 26 à 28 de novembro (O Salão foi de 22 a 28) o Seminário nos coloca diante de debates interessantes com nomes como Moacyr Scliar, Mário Bortolotto, Nicolas Behr, Hildeberto Barbosa Filho, André Ricardo Aguiar, Linaldo Guedes, João Paulo Cuenca e Cláudio Daniel. Hoje eu vou ver Cláudio Daniel. O resto eu perdi. A curadoria foi de Astier Basílio.

DIVERSOS AFINS
A revista cultural Diversos Afins chega na sua quinquagésima edição com destaque para uma sabatina com Paulinho Moska, uma exposição fotográfica com Antônio Paim e a poesia de Maria Conceição Paranhos, Ana Peluso, Luis Benítez, Iracema Macedo, Rubén Liggera, Sonia Regina, Jorge Elias Neto e Assis de Mello. E mais: a prosa dos dias de Abilio Pacheco, Gerusa Leal, Alice Fergo e Augusto Cavalcanti. Confira: http://diversos-afins.blogspot.com

POEMA DE MARCUS ALVES


Em Havana tomei um café e fiquei acordado
para escutar todos os meus sentidos.
Chorei alguns dias.
Conheci moças louras que desfilavam suas
chitas sobre o mar.
Não tive amores nem certezas.
Somente a dúvida acalmava minha ânsia.

(Noite Cubana, poema de Marcus Alves, do livro O eterno e o Provisório – Edição UFPB)

Um comentário:

so sad disse...

Na verdade "roubei-te" outros poemas postados aqui.
Gosto de fazer colagens misturados com alguns modestos textos meus, e me deparei com tantos que me identifiquei por aqui que transportei-os pra lá.

beijos!