segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

bizarro




manifesto me
contra o que pareça
irremediavelmente
triste

manifesto me
contra as navalhas
do absoluto

vômito desse olhar
lapidado em sentidos
                    impuros


e acaricio o silêncio
            aos murros

(poema vermelho - lau siqueira)

CAIXA BAIXA (Esses Moços...) - Escrevi o título propositalmente em maiúsculas para definir a ousadia e a ironia (sempre tão necessária) de um grupo de escritores paraibanos, ainda jovens, mas suficientemente maduros para as aventuras planejadas da linguagem. Eles (e duas elas) se reuniram no último sábado, no Bar do Elvis (próximo à UFPB) para discutir saídas para suas produções. Mas, não era apenas isso. Também, para discutir política literária, ética, estética... E, sobretudo, para estender ao máximo um olhar agudo sobre a própria obra. A rapaziada chegou para mostrar a cara e desbravar os próprios horizontes na literatura paraibana e brasileira. Espaços, diga-se de passagem, conquistados pelo árduo trabalho com a palavra e pelas heranças históricas do futuro. Por sugestão de um deles, Roberto Menezes, o grupo se chamará "caixa baixa". Em breve o Brasil saberá de duas antologias, uma de prosa e uma de poemas, produzidas pelo grupo.

ÉTER NO RETORNO - Algumas vezes a estupidez e a incoerência tomam parte nas nossas emoções e se transformam em lágrimas ou em pedras ressecadas, escarpando pelas corredeiras tênues dos nossos rins.
A vida tem seus sustos e seus orgasmos, seus ir embora e os não sair jamais. A vida é o que supostamente se movimenta entre o alimento do músculo e a lucidez do olhar. Que nosso desejo de paz supere sempre as imposições da vaidade num mundo que rebola na merda. Reagir sempre. antes que até mesmo o muito cedo já seja tarde.

ANARQUIA BLOGUEIRA - Anunciei num dos últimos posts que iria percorrer um pouco a poesia de Língua Portuguesa. E vou fazendo isso aos poucos e sempre. Mas, hoje, eu não poderia deixar de publicar um poeta como Vasko Poppa, considerado por Haroldo de Campos um dos maiores poetas da Iugoslávia. O livro simplesmente saltou da estante para as minhas mãos. Não tive defesa.

POEMA DE VASKO POPPA


Sentamos no banco alvo
Sob o busto de Lenau


Nos beijamos
E de passagem falamos
Sobre versos


Falamos sobre versos
E de passagem nos beijamos


O poeta vê algo através de nós
No banco alvo
No pedregulho do caminho


E silencia
Com seus belos lábios de bronze


No Parque da cidade de Vrchatz
Aprendo lentamente
O cerne da poesia


(Aula de Poesia, poema de Vasko Poppa. Do livro Osso a Osso, com tradução de Aleksandar Jovanovic)

11 comentários:

ode aos deuses disse...

um dos jovens era Lau Siqueira.

Lau Siqueira disse...

somos todos meninos, Joedson. te admiro muito, poeta!

Betomenezes disse...

é sempre um prazer, ver quem vc admira próximo, e ainda aumentar a admiração. Lau, vc sabe que geralmente é o contrário o que acontece.

Abraço, e a CAIXA BAIXA agradece.

Lau Siqueira disse...

Beto, de perto ninguém é normal.

☆Anjo☆ disse...

Maravilhoso seu poema "Bizarro", eu particularmente amo coisas simples, mas belas! Poema lindo!Seu blog é maravilhoso!(acho que já disse isso, rsrsrsrsr)Um grande abraço e bom final de semana!!!!!!!!

BAR DO BARDO disse...

Permaneces com o mesmo hábito: o das boas falas...


Felicidades!

Lau Siqueira disse...

anjo.. vc é um anjo. Bardo, permaneça com o hábito das boas visitas.

Graziany M. Gomes disse...

Olá, amigo Poeta. Deixo registrado aqui minha admiração pelo seu trabalho...conheci seu blog através do artigo "A RELEVÂNCIA DOS BLOGS PARA A POESIA CONTEMPORÂNEA", deveras achei nesta ferramenta a possibilidade de ser lido...meu blog http://www.versoinfantil.blogspot.com/ é bem recente mais quando recebi o primeiro comentário foi tão gratificante quanto publicar um livro. Estou dividindo este fato contigo porque tenho certeza que entenderá a importância que é para a poesia as diversas leituras e interpretações...A poesia sopro do espírito, desabafo d'alma, concebe quem a escreve, é presenteado quem a lê...apenas escrevo o que sinto e minha cálida amiga é a voz suplicante do meu espírito que anseia liberdade...e o blog é o veículo para, enfim, dizer aos meus amigos quando minha alma está alegre ou triste. Já o considero um amigo apresentado por nossa companheira em comum A POESIA..

Jônatas R. Santos 13º disse...

Muito bom... muito bom...
Dá uma olhada no meu blog, e se gostar da uma força... rs
http://poesiadescartavel.blogspot.com/2011/01/quanto-morte.html
abraço fraterno.

Lau Siqueira disse...

Graziani e Jônatas, grato pela visita. Venham sempre por aqui. Vou passear pelos seus blogs. Realmente, esta interarividade é o grande barato dos blogs. abraço!

Luciana Queiroz disse...

Muito interessante o Encontro de Jovens Poetas! E logo no Bar do Elvis... Vou acompanhar as notícias para saber quando vai ser o próximo.