segunda-feira, 25 de abril de 2011

flores da pele




como um jardineiro que vai moldando
os espaços de beleza em uma casa antiga
vou escarpindo meus olhos sobre as vestes
do que despe uma manhã de sanidade pouca
num mundo em eterna convulsão


não sei de onde virão as palavras que
somam-se aos ventos no movimento das flores
que de tamanha volúpia e beleza disputam
presença com o hálito das formigas


são renais as pedras que cobrem o estrumo
de saberes mal digeridos e que a todo instante
bocejam com os impulsos do ar que movimenta
folhas espalhadas pela calçada


na espera de uma colheita que as removerá
como um entulho de uma beleza que nunca
espelha seus motivos

(poema vermelho – lau siqueira)

NOVAMENTE SOBRE OS POEMAS VERMELHOS - Sempre repito por aqui mesmo para que nunca esqueça. Criei este blog para um exercício de permanente tentativa do poema. Não se trata de um espaço de fruição, apenas, com a leitura de qualquer genialidade que não existe nos meus processos. No entanto, escrever e publicar poemas por aqui tem se traduzido numa permanente ânsia de colher leituras lúcidas, críticas, se possível, ácidas por parte dos visitantes. Para que eu possa, então, avaliar com mais profundidade esse exercício permanente de jardinagem que é escrever poemas. Tudo aqui está em permanente processo de transformação. O poema do post anterior, por exemplo, já teve seu título modificado 4 vezes. Mas, assim é o meu processo de criar poemas que sempre estarão abertos às mudanças até mesmo provocadas pelo meu próprio (ou impróprio) olhar...

MÁRIO QUINTANA - Em 1987, eu e a jornalista Joana Belarmino entrevistamos o poeta Mário Quintana, no seu apartamento, no Porto Alegre Residence. Talvez tenha sido uma das últimas entrevistas do poeta que morreu no dia 5 de maio de 1994, próximo aos seus 87 anos. Naquele momento, a saúde do poeta já exigia cuidados especiais. Esta entrevista exclusiva concedida por Quintana foi um dos acontecimentos mais importantes de toda minha vida de poeta. Talvez tenha sido mais importante que publicar livros, porque me levou a refletir profundamente sobre as relações da linguagem poética com a vida que é, em suma, um elemento de múltiplas linguagens, com seus adereços e seus sofrimentos. Confira os links desta nota.

ANTOLOGIA DE POESIA PARAIBANA I - A revista Zunai publicou uma Antologia de Poesia Paraibana, com curadoria e apresentação do poeta, crítico e Professor Doutor do Curso de Letras da UFPB, Amador Ribeiro Neto. São legítimas as críticas da mesma forma que é legítimo o método do antologista. Devemos compreender que uma antologia representa um determinado olhar sobre determinada circunstância poética. Não se trata, absolutamente de um pódium onde os melhores estarão consagrados para a história da literatura. Este é um ledo e ivo engano. No caso da antologia de Amador, considero que alguns poetas que ficaram de fora são bem mais representativos que alguns que lá estão. Vou citar apenas dois nomes para não polemizar comigo mesmo: Astier Basílio e Amador Ribeiro Neto. Mas, deixo claro que esta é uma opinião minha sobre uma antologia que eu não fiz. Analisar a antologia do amador deve se dar com uma abordagem mais direcionada, mais focada no trabalho que foi realizado.

ANTOLOGIA DA POESIA PARAIBANA II - Também se poderia contestar o fato do meu nome constar na antologia, sendo eu nascido em Jaguarão, no Rio Grande do Sul. Mas, repito com alguma lucidez e despido de vaidades: devemos respeitar os critérios do antologista. Até mesmo porque toda antologia, principalmente as que buscam um recorte regional, sempre serão extremamente polêmicas. Em tempos de internet creio que fica cada vez mais difícil esse tipo de recorte, porque a literatura vai perdendo as características de regionalidade e começa a buscar outros elementos, notadamente na própria “literatura” eletrônica. A internet e não os livros, talvez sejam fontes mais fecundas para a pesquisa da poesia contemporânea. Especialmente se observarmos que os blogs nos fazem conhecer um bom poeta praticamente todos os dias. A poesia de Boqueirão-PB, de Jaguarão-RS, talvez dialogue mais profundamente com a poesia de Montes Claros-MG e de Luanda (capital de Angola) que com a poesia de Campina Grande-PB e Bagé-RS. E este é um fato concreto não apenas da poesia mas da literatura contemporânea e da arte de um modo geral. Esse tema merece um artigo e em breve ele estará no Pele Sem Pele. Aguardem e até já!

MOMENTOS DA LITERATURA - Muito bacana a programação do Festival de Literatura que começa hoje em Votuporanga, município do interior paulista e que abriga uma Caravana da Leitura , a partir de amanhã. Destaco ainda o prêmio promovido pelo Sebo Cultural aqui na Paraíba, que vai publicar dois volumes com comentários de livros de escritores da Paraíba. Para finalizar, vamos lá para a outra banda do mapa com a Feira de Buenos Aires, considerada pela UNESCO, a capital mundial do livro. Confira o link de notícias do dia 20 de abril.

POEMA DE ASCENSO FERREIRA


O médico da família lançou esta sentença terrível:
Se até as 5 horas da manhã ele não respirar,
tirem a tenda de oxigênio se é
que querem acender velas, não diexando
que o doente morra na escuridão...

Não respirou!
Não houve injeção de aminofilina que servisse!
Nem acilanida!
Nem injeções de Papaverina!
Entram em jogo os palpiteiros de sugestões:
- Minha tia rosinha lembra xarope de Matá-Matá!
Pedro Ludovico – café Quinado Beirão!
O farmacêutico aragão achava que era Anazarca e
                                                     [ele devia tomar
Um purgante de Manipuera...
Alguém lembrou um remédio ao qual
Pedro Duca protestou indignado:
- Isso nunca! Pois poderá ser confundido com
                                                          [comunismo!
Lá fora a chuva tinha carícias de morte...

Pintores de meu país! Vinde pintar essa
Natureza Morta
De frascos desarrolhados
E inúteis ampolas partidas!

(O doente, poema de Ascenso Ferreira dedicado a Lula Cardoso alves. No livro Outros Poemas e Inéditos, organizado por Juareiz Correya. Publicado pela Panamérica/Nordestal Editora – recife, 2006)

Um comentário:

matheus disse...

seguindo!!!
segue de volta:
mateuspoeta.blogspot.com
gostei muito do seu blog
obrigado!!!