cotidiando


 
barulho de pá
e martelo
na construção
de um prédio

cães latindo
e algum canto
de pássaro

vozes
no corredor

assim
uma nova
manhã vomita
um grande
desafio

:

transformar
o caos
em encanto

(poema vermelho – lau siqueira)

DE VOLTA AO COMEÇO - Estou novamente em João Pessoa depois do pequeno giro para lançar o livro em Porto Alegre e Curitiba. Antes de pensar em sono e cansaço pela viagem, muito trabalho pela frente. Estirei a mirada profunda no olho de um furacão. Na vida cada qual escolhe seus mergulhos e a possibilidade de estancar. Minha sina é encarar os abismos e escancarar minha sede. Foi assim que aprendi a voar.

VIVA CURITIBA! - Cidade deliciosa, cheia de gente bacana. Foi assim a cidade que mais uma vez conheci. Bom demais abraçar Bárbara Lia, Marilda Confortin, Déia Mota, Álvaro Posselt, Marília Kubota, Macaxeira (grande Maca!) Lia Márcia Finn, Nino, Junior, a garotada do site Interrogação (www.interrogacao.org), Sandra Hiromoto... e outras pessoas (poetas ou não) que sabem como dançam as estrelas numa noite de pouca lua. Estávamos novaiorquinos. Depois do Broooklyn (bar delicioso), fomos para o Wonka, curtir uma bela performance de Zoe Camaris e outras duas atrizes e dizer poemas... Poetas da noite que não cansa de sugar nossos olhos, nosso estranho lumiar.

LANÇAMENTO EM JOÃO PESSOA - Sem novidades. Será como foram os livros anteriores. Trabalho o dia inteiro corro pra casa pra tomar um banho e vôo direto para o pátio do Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira. O anterior foi no falecido Parahyba Café. Na programação da Semana de Luta Antimanicomial encontrei o contexto mais adequado para soltar pela cidade minha Poesia Sem Pele. Além do lançamento, teremos o Sarau dos Pacientes e dos Impacientes e um fechamento de ouro com o Círculo dos Tambores. Vamos?

MINICONTO DE ÁLVARO POSSELT

       O cara havia pegado todas, de A a Z. Até as com letras mais difíceis. Mas faltava ainda a letra Q.
Não conseguia.
       Há tempos sentia dores na mão.
       - Você pegou quiralgia! – disse o médico.

(O Pegador, Miniconto de álvaro posselt, publicado na coletânea A Brisa é Você, organizada por José Marins e publicada pela Araucária Cultural)

Comentários

Rosa Mattos disse…
Ótimo poema, Lau. E esse miniconto me fez dar uma boa risada. Muito bom!

Grande abraço, querido.
Parabéns Lau, e que seja também especial em JPa. Fico na expectativa de mais este livro, infelizmente não poderei estar no lançamento. Vou ver a melhor maneira de adquirir um exemplar, talvez compre contigo pessoalmente quando estiver em JPa ou "encomende" a remessa por correio. Vou divulgar entre os meus. Forte abraço
MIRZE disse…
Ótimo poema vermelho, Lau!

Só mesmo um amanhecer para dar encanto ao caos nosso de cada dia.

Tentei adicionar esse blog aos meus favoritos e não consegui, Vou ficar tentando.

Parabéns pelo lançamento do livro em João Pessoa.Como não posso ir, apenas divulguei!

SUCESSO!

Beijos

Mirze
Cássio Amaral disse…
Parabéns pelo novo livro Lau! A pele des-filhou o risco do arabesco e incendiou o rabisco.

Muito sucesso!

Abração.
Lau Siqueira disse…
Álvaro é muito bom, Rosa.

Vamberto, faço questão de um livro procê.

Mirze, apareça mais.

Cássio, mermão... podicrê.
Gustavo Paes disse…
Belíssimo poema! Os dois pontos e a chave de ouro foram perfeitos...

Postagens mais visitadas deste blog