terça-feira, 21 de junho de 2011

canto híbrido





cuspi espelhos
e adagas na sede
amarga do infinito


(canções do abismo
navegando nuvens


)álibi dos arvoredos
soprados pela noite


na sangria
dos lírios...


e nas folhas que
colhem silêncios
do zinco


(lau siqueira – poema vermelho)


ANTÔNIO CÍCERO
Dia 5 de maio passado, quando estava saindo da Casa de Cultura Mário Quintana, em Porto Alegre, encontrei o poeta Antônio Cícero. Tinha acabado de lançar meu livro. Ele também estava por lá oferecendo um curso de poesia. Era um daqueles dias do FestiPoa Literária. Então estirei o braço e dei um livro ao poeta que, gentil, perguntou se poderia publicar algo no seu blog. Respondi que sim e eis que vejo agora meu poema “Bizarro” publicado no “Acontecimentos”. Confira: http://antoniocicero.blogspot.com/2011/06/lau-siqueira-bizarro.html

AÍLA SAMPAIO
Também a Professora do Departamento de Letras da UNIFOR (CE) prometeu recentemente escrever uma resenha sobre os meus dois últimos livros, Texto Sentido (2007, Ed. Bagaço-PE) e Poesia Sem Pele (2011, Ed. Casa Verde-RS). Aíla escreveu um texto belíssimo que você poderá conferir, também aqui neste link: http://litebrasil.blogspot.com/2011/06/poesia-com-sentido-e-sem-pele-um-olhar.html

INÊS MONGUILHOTT
Recebi e-mail do artista plástico e amigo, Sérgio Lucena, apresentando a poeta Inês Monguilhott. Muito me impressionou a primeira leitura dos seus poemas. Seja pela pela musicalidade ou pela capacidade de construção das imagens. Ainda não conhecia esta escritora de quem agora sou fã. Inês lançará seu belo livro (que já li em PDF) no dia 29 de junho, às 20h, no Bar Canto Madalena – Vila Madalena, São paulo-SP. Telefones (011) 89126520 e 3813.6814. Realmente a Poesia Brasileira Contemporânea vive um grande momento.

POEMA DE INÊS MONGUILHOTT




Chamo as coisas pelo nome.
As coisas, castas,
se cobrem de palavras.
Desisto das letras mortas,
e digo:
Casa.
Ela,
onomatopéica,
me bate a porta.


(Colóquio, poema de Inês Monguilhott, do livro Natural. Ed. Ofício das Palavras, SP)

4 comentários:

Amanda Lemos disse...

Gostei bastante do Blog.
Muito interessante !

É bom ver a cada dia que passa mais originalidade nessa "blogosfera". :)

Deixo o meu aqui caso queira dar uma olhada, seguir..;
http://bolgdoano.blogspot.com/

Muito Obrigada, desde já !

Adriana Karnal disse...

tua poesia é linda, Lau...e essa da Inês, poxa! vou tentar descobrir mais sobre ela...

Cla disse...

"e nas folhas que
colhem silêncios
do zinco"
Sua poesia muitas vezes me lembra a de Manoel de Barros. Essa me lembrou! =)

Luyse disse...

Já tava com saudades disso aqui. (: