amanhecimento


neste esplendor de horas
transformadas em canto de pássaro
a manhã se veste de colheitas
e plantios

o primeiro sol atravessa a escuridão
e comunga com o bafejo das ruas


(poema vermelho – lau siqueira)

INSTANTE ESTANTE – Ano passado fui convidado pelos amigos Alexandre Brito e Sandra Santos, poetas do Rio Grande do Sul, para participar do projeto Estante Instante. Confesso que a princípio não entendi direito como funcionava. No entanto, por confiar em ambos, aceitei participar. Me surpreendi quando chegaram à João Pessoa com um livro meu publicado. Mais tarde, me surpreendi ainda mais quando publicaram um e-book da mesma edição. Conheça o projeto e leia meu primeiro e-book neste endereço:  http://www.myebook.com/index.php?option=ebook&id=114247

DO BERIMBAU AO CHIP – Também chegou do Rio Grande do Sul o convite para publicar na revista do instituto Estadual do Livro, a VOX II. O contato foi feito pela editora do meu último livro, a amiga querida  Laís Chaffe. O texto teria que abordar questões relativas a esse mundão de desafios que nos traz a cultura digital. Optei por um transcurso entre a tradição e a modernidade. A revista também saiu em meio impresso e está sendo distribuída gratuitamente no IEL-RS. Confira a edição on line: http://ielrs.blogspot.com.br/p/revista-vox.html


REVISTA Z  - Recebi  ontem meus exemplares da revista Z, editada pelo amigo Paulo Custódio (o Paco Cac) com poemas meus e de poetas como Alexandre Brito, Laís Chaffe, Ricardo Silvestrin, Ronald Augusto, Rosane Carneiro e outros. A edição saiu em homenagem ao grande poeta, nascido em Porto Alegre e já falecido, Samaral.

UM POEMA DE OLAVO BILAC

Se por vinte anos, nesta furna escura,
Deixei dormir a minha maldição,
- Hoje, velha e cansada da amargura,
Minh’alma se abrirá como um vulcão.

E, em torrentes de cólera e loucura,
Sobre a tua cabeça ferverão
Vinte anos de silêncio e de tortura,
Vinte anos de agonia e solidão...

Maldita sejas pelo Ideal perdido!
Pelo mal que fizeste sem querer!
Pelo amor que morreu sem ter nascido!

Pelas horas vividas sem prazer!
Pela tristeza do que eu tenho sido!
Pelo esplendor do que eu deixei de ser!..

(Maldição, poema de Olavo Bilac, no livro “Os Melhores Poemas”, Editora Global, seleção de Marisa Lajolo.)

Comentários

paulo cac disse…
Z - Revista de Poesia. valeu, Lau! sua participação, de fino trato poético, no primeiro número da nossa revista é de uma alegria solar. Grande abraço companheiro.
Fátima disse…
Vou te contar um segredo:
Quanto eu era menina pequena lá em Belzonte eu era a recitadora oficial de poemas da minha escola. Olavo Bilac era um dos meus preferidos!
Agora, saber todos eu sabia mesmo da Cecília Meireles. Ainda sei alguns.
Depois que eu comecei a fazer canto lírico passei para outra etapa.
Olha eu te contando minha vida :)
Bjs.
Caro Lau, estou sempre dando uma passada pelo seu blog. Aprecio sua luminosidade poética. Ando por aqui em plena efervescência do lançamento de "Pequenas Histórias do Delírio Peculiar Humano". A mídia tem dado toda cobertura. Estou feliz.
Abração

O Falcão Maltês
Corpo-Alma disse…
OI LAU, PARABENS POR SEU TRABALHO POETICA. SEU BLOG É SHOW DE BOLA!

Postagens mais visitadas deste blog