Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2013
PRIMEIRA PESSOA


eu sempre escrevo o último verso e a partir dele um poema sem começo
e sem pausa só pipoco de sílabas
e letras movediças num pouso
dinossauro
...
não sei dos olhos
mas sei tudo sobre esse olhar
que vai além do que nos sustenta
entre a pele e as nuvens

os dias passam na trapaça e na raça
na couraça e no que embaça
...como tudo que passa

até que a memória se transforma
em poesia
(poema inédito)

POVO NA RUA – Amanhã vou pras ruas com quem vai pras ruas protestar. Com a calma estampada no rosto e uma certeza pra lá de infinita. Longe dos que vão apenas extravasar e buscar ocupar lugares no reino. Amanhã eu caminho para que não exista reino algum. Ainda que a vida seja um cerco. Não levo nada nas mãos. Nem cartaz, nem faixa nem bandeira. Levo apenas minhas mãos vazias e limpas. E um olhar cada vez mais livre caminhando sobre o horizonte. Caminhar por um mundo mais justo é um poema sem palavras que começa no primeiro passo. Em frente!

ASA DELTA

era um imenso oco envolto em c…
EXISTIR


a vida
é um espetáculo
denso

só existo
quando penso


(poema inédito)


POESIA SEM PELE – Lancei meu livro Poesia Sem Pele no dia 05 de maio de 2011 na Casa de Cultura Mário Quintana, em Porto Alegre. Lentamente fui espalhando, seja pelo facebook (onde vendi uns bons livros), seja em eventos como o Programa de Incentivo à Leitura na Escola -  PILE, na terra de Augusto dos Anjos (Sapé-PB). O fato é que já me restam poucos dos 1.000 exemplares da edição. Acho que a partir de agora, quem quiser o livro deve solicitar na Sapere Audi-Livros, em Porto Alegre. O link para a Sapere está na capa dos livros expostos aqui no Poesia Sim.

PROJETOS LITERÁRIOS – Estou com um livro pronto sendo avaliado por uma editora (a pedido) e organizando poemas de todos os meus livros para uma edição de POEMAS ESCOLHIDOS, em troca do que me propôs o poeta Frederico Barbosa para publicar todos os meus livros em uma mesma edição. Uma espécie de OBRAS In’COMPLETAS. Agora decidi também entrar num outro projeto, …
CONCLUSIVO

a vida
é um surto

e o tempo
cada vez

mais
curto


(poema inédito)

NÃO COPIE SEM AUTORIA – Fiquei de cara outro dia quando vi no Facebook duas das minhas brincadeiras com as palavras reproduzidas sem a minha autoria. É podre divulgar um texto sem citar a autoria. Mas, podemos dizer que é desonesto você pegar o trabalho de alguém ou mesmo parte desse trabalho, expor sem autoria para parecer que é seu. Infelizmente isso acontece e representa um enorme retrocesso.

VILA DO PORTO – Foi transferido para o dia 04 de julho o bate-papo com a poeta Nina Rizzi que vem de Fortaleza participar comigo de um evento que terá como mediador o porta e amigo André Ricardo Aguiar. Certeza de um papo agradável sobre poesia e sobre a vida.

AGENDA DA TRIBO – Aqui e ali encontro pessoas que conheceram meus poemas no famoso Livro da Tribo. Entre essas pessoas, destaco o poeta José Inácio Vieira de Melo que acabei conhecendo na Feira Literária de Boqueirão – FLIBO. A mais recente é de Franca. Bom demais en…
POP CONCLUSIVO

cada instante é o infinito
somado ao infinito de cada
instante

entre um e outro movimento
na cadeia produtiva
da imaginação

a sensualidade das luas
que mudam em cada quarto

o amanhecer que suspende
o brilho das estrelas

... e a vida é tão veloz
que qualquer instante pode
ser eterno

e que tudo mais vá pro inferno
(poema inédito)

******************************

NÃO É POR VAIDADE que eu solicito, mas por uma questão de respeito comigo mesmo. Seguinte: pode copiar e reproduzir qualquer poema meu em qualquer suporte, mas de preferência me comunicando para que eu possa também acompanhar o resultado. Não me roube também esta alegria. A única coisa que eu não negocio é a divulgação da autoria. É bem desagradável vermos algum texto nosso com a autoria adulterada. Um país civilizado respeita

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

VARADOURO
(ao cantor paraibano, Parrá)

essas casas tão antigas
legados da arquitetura
ao tempo

resistem