MILONGA


no pipoco do trovão
no estancar escroque
no traque do rito
no riso do atabaque

no impreciso no dito
no juízo do estampido
no incêndio do sentido
no que estala do olvido

derradeiro destemido
tipo reto disfarçado
em retas linhas tortas

resistência dos abalos no
que consiste e rasga o
tédio o ébrio o abandono


LIVRO ARBÍTRIO ´- Agora é com a editora Casa Verde. Em breve estarei com mais um livro na área. Mais um trabalho feito com a Casa Verde, de Porto Alegre. Na verdade, aos cuidados da minha amiga Laís Chaffe, jornalista,poeta, minicontista, editora. Ex-presidente do Instituto Estadual do Livro do Rio Grande do Sul, com uma gestão voltada para a promoção da literatura gaúcha.

DUPLA CIDADANIA -  O fato de ser gaúcho e morar há 30 anos na Paraíba é um prazer adicional que a vida me deu. Tenho visto minha poesia acolhida nas antologias de poesia contemporânea do Rio Grande do Sul. Recentemente (post anterior) pude ver também minha poesia exposta no Museu da Língua Portuguesa representando a Paraíba. A bem da verdade, todo poeta, todo artista é cidadão do mundo. É uma partilha com o infinito.

ADRIANO ESPÍNOLA - A Editora Record fez a delicadeza de me enviar um exemplar de "Escritos ao Sol", uma antologia dos poemas escritos por este importante poeta brasileiro. Belos poemas que nos revelam o quanto a Poesia Brasileira está viva, pulsando e mostrando seus grandes nomes como Adriano Espínola, Sérgio de Castro Pinto, Glauco Mattoso, Ademir Assunção, Ricardo Silvestrin e tantos outros.

CATARSE

na liturgia do verso
perpetuo madrugadas
de sóis esmaecidos

           e finjo ser dor
a dor que de vera minto


(poema do meu terceiro livro, "Sem meias palavras", 2002)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog